• Print Icon

Sindicato da Hotelaria do Algarve vai intensificar a luta por melhores salários e condições de trabalho.

Dirigentes e delegados do Sindicato da Hotelaria do Algarve estiveram reunidos na tarde de ontem, quarta-feira, dia 21 de setembro, na Casa Sindical de Faro, para analisar a situação social e laboral no sector do Turismo e «refletir sobre o que fazer para ultrapassar as dificuldades e os obstáculos colocados pelo patronato e pelo governo do Partido Socialista (PS) que está a convergir com o PSD, o CDS, o Chega e o IL».

Na reunião, estiveram em análise os problemas mais sentidos pelos trabalhadores:

  • A desvalorização das carreiras e profissões que se tem vindo a acentuar ao longo dos anos com trabalhadores estagnados há décadas na mesma categoria profissional;
  • A discriminação e o ataque aos direitos individuais e coletivos dos trabalhadores;
  • A opção do patronato em ir buscar trabalhadores a outros países com salários ainda mais baixos para os explorar ainda mais;
  • A precariedade dos vínculos laborais que não para de aumentar, fragilizando a posição do trabalhador perante o patrão;
  • A tentativa de impedir o sindicato e os trabalhadores de exercerem o direito à atividade sindical nas empresas;
  • O aumento do assédio e da tortura psicológica para pressionar os trabalhadores para trabalharem mais e mais depressa;
  • O pagamento de bónus e prémios como forma de chantagear e manipular os trabalhadores para os condicionar na sua capacidade reivindicativa;
  • Os baixos salários devido ao bloqueio que o patronato está a fazer à negociação coletiva recusando uma justa atualização das tabelas salariais e a manutenção dos direitos.

Esteve também em análise «o brutal aumento do custo que se está a verificar e as medidas insuficientes que o governo está a tomar, como o pagamento de 125 euros no próximo mês de outubro, que foi considerado migalhas para tentar acalmar a luta dos trabalhadores, ao invés de promover o tão necessário aumento geral dos salários e o controlo dos preços para impedir os lucros especulativos dos grandes grupos económicos e financeiros», informa aquela força sindical em nota enviada à redação do barlavento.

Além da «situação difícil que os trabalhadores estão a enfrentar foram também valorizadas as muitas lutas desenvolvidas e os resultados positivos alcançados em muitos locais de trabalho, que se traduziram em aumentos salariais que já não se verificavam há muito anos, e na defesa de direitos e melhoria das condições de trabalho, como aconteceu mais recentemente no Clube Praia da Oura, no Grupo JJW, no INATEL Albufeira, no SUCH – Serviços de Utilização Comum dos Hospitais, no Grupo Dom Pedro, na Sociedade do Golfe da Quinta do Lago, no Amendoeira Golf Resort, ou no Hotel PortoBay Falésia».

No final dos trabalhos, «ficou bem patente a confiança e o compromisso dos presentes em intensificar o trabalho de reforço da organização e de intensificação da ação e da luta reivindicativa nos locais de trabalho, para romper os bloqueios e enfrentar os ataques do patronato e do governo, e de trabalhar para a mobilização do sector para o envolvimento e participação na Ação de Mobilização e Luta», convocada pela CGTP-IN, a decorrer até dia 15 de outubro, e para a manifestação que se irá realizar nessa dia em Lisboa.

Além da situação social foram também abordados aspectos relacionados com a preparação do X Congresso da União dos Sindicatos do Algarve/CGTP-IN, que se irá realizar no próximo dia 27 de outubro.