PSD Portimão «disponível para trabalhar em conjunto com PS» nesta fase

  • Print Icon

Partido Social Democrata (PSD) de Portimão diz estar «disponível para trabalhar em conjunto com PS» nesta fase da pandemia.

A Comissão Política do PSD de Portimão tomou ontem nota, após conferência de imprensa pública do primeiro-ministro António Costa que o concelho de Portimão irá permanecer na primeira fase de desconfinamento, para a qual recuou na última avaliação das entidades competentes, continuando com esplanadas, museus e galerias fechadas assim como o comércio local continuará obrigado a fazer, em exclusivo, venda ao postigo.

Assim, ao contrário da larga maioria dos concelhos do país, em que, por exemplo, os restaurantes já estarão abertos até às 22h30, e até verá as fronteiras serem reabertas, Portimão irá estar pelo menos mais uma semana (as avaliações passarão a ser semanais e deixam de ser quinzenais) com o comércio, a cultura e o tecido empresarial «fechado».

À imagem das declarações públicas de Isilda Gomes, presidente da Câmara Municipal de Portimão, em conferência de imprensa de 16 de abril, o PSD de Portimão «subscreve as suas preocupações para com os portimonenses que veem os seus negócios parados, em suspenso, pelo menos mais sete dias após já mais de um ano de grave contexto económico em virtude da pandemia».

«A situação económica é grave, é do conhecimento público e é sobejamente debatido nos vários órgãos autárquicos locais com relatos de várias situações de escassez de recursos, falta de liquidez e falência de pequenos negócios e empresas», reitera o PSD, em comunicado hoje enviado às redações.

«Também é do conhecimento público a situação do aumento drástico de desemprego, com Portimão a ser a segunda localidade algarvia com mais desempregados inscritos no Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP), com números superiores a 5.500 que representa 10 por cento da população do município, que são igualmente preocupantes».

Por tudo isto, entende o PSD que «esta é uma batalha de todos os partidos políticos e autarcas eleitos, com ou sem pelouros e funções executivas».

Dessa forma, reafirma o PSD Portimão «a disponibilidade para auxiliar o executivo socialista para a criação de projetos e propostas de respostas económica imediata. Igualmente, conhecedores das declarações tomadas nos Paços do Concelho, de forma solene, o PSD ficará a aguardar pelas consequências e ilações extraídas pela presidente Isilda Gomes após as declarações de ontem do primeiro-ministro António Costa».

Seja qual for a sua conclusão, «o PSD continuará a esta ao lado dos Portimonenses, com os silêncios necessários para a construção de propostas ao invés de frases vaizas de respostas».

Carlos Gouveia Martins, presidente da concelhia acredita que «Portimão precisa de todos, ontem vivemos nova desilusão global que não é de direita ou de esquerda, afeta todos os portimonenses», alertando que «mais do que novas ameaças públicas ao governo, que vimos serem profundamente ignoradas por António Costa».