PSD Faro diz que Moção de Censura do PS é «querela intestina»

  • Print Icon

«Com mais esta diatribe lamentável, o PS da Assembleia Municipal fez o frete à direção política concelhia do partido, sequiosa de mostrar serviço para a refrega eleitoral interna que se avizinha», sublinha a Comissão Política do Partido Social Democrata de Faro em comunicado.

A Comissão Política do Partido Social Democrata de Faro emitiu hoje, quarta-feira, dia 27 de novembro, um comunicado dirigido aos munícipes farenses.

«Não obstante o desfecho histórico do folhetim do Parque de Campismo de Faro, o visto favorável do Tribunal de Contas a cerca de 5 milhões de obras estruturantes que o município se prepara para lançar neste mandato, a obtenção de um pacto regional em torno do desígnio europeu da cultura farense e a realização de mais de 3 milhões de euros de requalificações em curso um pouco por todo o concelho, o Partido Socialista da Assembleia Municipal decidiu que era chegada a hora de apresentar uma moção de censura ao executivo municipal» liderado por Rogério Bacalhau.

«Sem espanto, a Assembleia chumbou liminarmente este número demagógico, atabalhoado e despido de fundamento válido. E para quem não viu, bastará atentar ao registo videográfico que a Câmara disponibiliza no canal Youtube e daí retirar as devidas consequências do que vai sendo o exercício político de certa oposição naquela que é a casa da democracia do concelho», lê-se no comunicado.

Para o PSD, «esta forma de fazer política, estridente e a pensar apenas nos escaparates mediáticos, é protagonizada pelo grupo socialista da assembleia que procura, antes de mais, distrair os farenses do facto de a autarquia se encontrar no rumo certo e a resolver com efectividade os problemas de Faro».

Na verdade, «fruto do bom planeamento dos nossos autarcas e da eficiência dos renovados serviços da autarquia, tem-se conseguido a satisfação de alguns dos mais prementes anseios da população e, a certa oposição, interessa distrair e destruir, em vez de construir e contribuir para as soluções que vimos encontrando», aponta o PSD.

«Com mais esta diatribe lamentável, o PS da Assembleia Municipal fez o frete à direção política concelhia do partido, sequiosa de mostrar serviço para a refrega eleitoral interna que se avizinha», sublinha a Comissão Política do Partido Social Democrata de Faro.

Assim, o PSD «lamenta profundamente que o PS de Faro envolva os superiores interesses de Faro e da comunidade nesta querela intestina e lembra que os farenses nunca gostaram de se ver metidos nestas «guerras do alecrim e da manjerona».

Ao PSD «compete ainda lamentar mais uma embaraçosa actuação do grupo municipal socialista da assembleia e notar que este se comporta de maneira bem diversa de um outro PS, o da vereação, que vem assumindo papel de assinalável responsabilidade política e que vem contribuindo para o apontar de problemas mas, igualmente, para a sua resolução».

Por fim, o PSD «exorta finalmente os membros do grupo socialista da Assembleia e a quem os dirige a um exercício democrático mais responsável, à altura da história deste grande partido político português e à medida daquilo que a comunidade espera dos seus representantes, estejam eles no poder ou na oposição».