PS acusa movimento «Tavira Sempre» de campanha contra a autarquia

  • Print Icon

João Pedro Rodrigues, presidente do Partido Socialista (PS) de Tavira, emitiu hoje, sexta-feira, dia 22 de novembro, uma nota de imprensa a propósito da polémica em torno da nova ponte sobre o Rio Gilão, que a Câmara Municipal presente construir, sob o título «A ponte que nos deve unir!».

«Nos últimos dias temos assistido a um ruidoso movimento contra a construção da nova ponte sobre o rio Gilão, que vem substituir a atual ponte metálica, construída neste local há cerca de 30 anos. Durante este período, com vários executivos municipais e muitos fazedores de opinião, ninguém colocou em causa a utilidade desta velha estrutura que foi usada por peões e viaturas, sendo uma travessia imprescindível na dinâmica e atratividade da baixa de Tavira e da mobilidade dos seus residentes e visitantes», argumenta a concelhia.

«Trata-se, portanto, de substituir uma estrutura velha, degradada e insegura (por estes motivos, fechada ao trânsito há cerca de três anos) por uma nova, funcional e acessível, preparada para as pessoas com mobilidade reduzida, continuando Tavira a ser a cidade mais bonita e preservada do Algarve».

Segundo o PS Tavira, «o processo de construção desta nova ponte é público há longos anos. A obra esteve prevista nos últimos três programas eleitorais do PS às autárquicas, sufragados por larga maioria dos tavirenses. A Câmara Municipal tem verbas próprias para a obra. O projeto foi conhecido, após seleção entre várias propostas apresentadas e divulgado para quem tivesse interesse em manifestar opinião. O concurso público foi lançado, e adjudicado quando obtido visto do Tribunal de Contas».

«A ponte em construção é mais de dois terços pedonal e ciclável, tendo apenas uma faixa dedicada a viaturas, opção mais que justificável para permitir todas as possibilidades de utilização no futuro, nomeadamente em situações de viaturas de emergência e de segurança. O jardim público continuará a ser um ex libris de Tavira, com o seu charme encantador. A baixa da cidade continuará a ser das pessoas. Sempre das pessoas. Só agora que há obra no terreno para fazer a nova ponte, precisamente no mesmo local da atual, surgem vozes discordantes e um movimento que quer fazer parar o investimento».

Os socialistas de Tavira sublinham que «nada temos contra opiniões contrárias e entendemos que é na pluralidade que a democracia pode e deve ser aprofundada. Respeitamos a opinião de cada um e a liberdade de associação», mas no entanto, questiona «onde estiveram estas pessoas e este movimento ao longo deste tempo, que só agora, decidiram colocar Tavira nos meios de comunicação social de forma depreciativa e alarmista? Sabem se a opinião que defendem é partilhada pelos que utilizam e passam diariamente pela baixa de Tavira? Sabem a opinião dos cidadãos e comerciantes que necessitam de acessos mais próximos e não ficar unicamente dependente da ponte Romana? Têm a consciência dos problemas de segurança acrescidos, reportados pelas autoridades, que a existência apenas da ponte romana, traz?»

Assim, o Partido Socialista «defende e apoia a presidente Ana Paula Martins e todos os membros do executivo no cumprimento do programa eleitoral votado maioritariamente, de forma universal e democrática, pelos Tavirenses, onde constava Construir a nova ponte do Rio Gilão na localização da atual ponte provisória (medida 65, página 28 do programa eleitoral ás ultimas autárquicas)».

«Em vez de lançar uma campanha contra a autarquia, nas redes sociais e na comunicação social, tendo a ponte como motivo, utilizando a boa vontade e desejo de participação de muitas pessoas, com muita informação falsa incluída, o movimento Tavira Sempre devia dizer antes quais as suas reais intenções», acusa o PS.

«Respeitamos quem tem convicções e ideias discordantes. Mas não permitiremos que se lance a desinformação sobre projetos estruturantes e decisivos para a cidade, prejudicando assim Tavira e os Tavirenses. Parece que a campanha eleitoral já começou!», conclui a nota.

Amanhã, sábado, dia 23 de novembro, o Tavira Sempre Movimento Cívico, realiza uma reunião pública, aberta à comunidade. Será às 16 horas no Clube de Tavira.

O evento terá como objetivos partilhar opiniões, tirar dúvidas e discutir estratégias para o futuro da baixa da cidade e «travar o projeto da nova ponte».