• Print Icon

O Núcleo de Tavira do Bloco de Esquerda «lamenta profundamente que os poderes públicos não tenham até ao momento colocado em prática medidas que possam mitigar o efeito das alterações climáticas na região do Algarve».

Em nota enviada às redações hoje, segunda-feira, 28 de outubro, o BE Tavira diz que «apresentou já várias propostas na Assembleia Municipal de Tavira, algumas delas foram aprovadas, como foi o caso da proposta de fevereiro de 2018 relativa a uma melhor gestão e sensibilização para o consumo de água e aproveitamento dos recursos hídricos no Algarve».

No entanto, «passado quase dois anos nada surgiu. E estamos à beira de, caso não chova nos próximos meses, ficarmos sem água para consumo das populações, populações estas que devem ser a preocupação máxima de quem gere o poder local, regional e nacional».

O BE argumenta que «há já concelhos do Algarve onde as populações das zonas serranas não têm água nos seus aquíferos. Observamos com enorme estupefação que no Algarve caminha-se alegremente para o abismo, sem sensibilização das populações e sem qualquer apelo para que se unam esforços de forma a minimizar os efeitos climáticos que já afetam a região, como seja o caso da seca extrema».

Aquela força política lembra ainda que «tudo tem feito, como foi o caso do alerta no início do ano de 2019, e continuará a fazer para que o Algarve e os algarvios possam melhorar a sua qualidade de vida e não o contrário».

No entanto, «parece-nos invulgar que os poderes e as entidades competentes continuem a manter uma posição passiva e de omissão quanto a uma questão tão grave», exigindo o BE Tavira «uma postura mais enérgica quer da Câmara Municipal de Tavira, quer das entidades regionais e nacionais para a situação atual».

No sentido de sensibilizar as populações e principalmente quem decide sobre estas matérias, o Bloco organiza no próximo dia 7 de dezembro, um Encontro dedicado à Sustentabilidade Hídrica no Algarve, a qual contará com especialistas na vertente da água e das alterações climáticas.