Crise no turismo pode gerar «situação explosiva» no Algarve

  • Print Icon

Algfuturo – União Empresarial do Algarve está preocupada com os efeitos da pandemia de Coronavírus na economia regional.

A Algfuturo – União Empresarial do Algarve está a acompanhar «atentamente as mortes, doentes e crise global já provocadas pelo vírus e manifesta a sua solidariedade ao resto do país e ao mundo. Sem alarmismos, mas sendo conhecedores profundos da economia e sociedade algarvias, face aos indicadores disponíveis e projeção dos impactos multiplicadores, o sentido de responsabilidade e uma atitude pro-ativa minimizadora de danos, obrigam a fazer, fazer uma primeira análise».

Em comunicado, a associação liderada pelo ex-autarca farense José Vitorino alerta que «se a pandemia não for controlada até ao fim de março, os efeitos negativos no turismo conjugados com as debilidades estruturais da região, pode provocar uma situação económico-social explosiva, mais grave que noutras regiões», pelo que incita aos «poderes públicos a criarem de imediato uma comissão de acompanhamento de carácter transversal, face aos impactos já sentidos e outros em desenvolvimento».

A Algfuturo pede ainda a crianção de uma «linha de crédito para tesouraria rápida e simplificada e apoios especiais para encargos com recursos humanos das empresas, se situação se prolongar», assim como a preparação, «desde já, de campanhas de promoção específicas para o turismo no Algarve, para lançar imediatamente a seguir à declaração do fim da pandemia».

O foco deverá ser «particularmente forte na Andaluzia, em que de imediato, por superior interesse regional e nacional, as portagens para os espanhóis sejam suspensas, para atenuar os efeitos das quebras de fluxos turísticos, geral aos países emissores».