COVID-19: António Costa admite medidas mais restritivas

  • Print Icon

O primeiro-ministro António Costa admitiu hoje que na próxima semana o governo poderá tomar medidas mais restritivas para fazer face ao aumento de contágios e adiantou que vai proceder à audição dos partidos e dos parceiros sociais.

António Costa falava no final do Conselho de Ministros, em conferência de imprensa, salientando que essas medidas mais restritivas contra a COVID-19 poderão já entrar em vigor no próximo dia 12 de janeiro.

O líder do executivo referiu que os números referentes novos contágios verificados na quarta-feira e hoje rondam os 10 mil, «o que indicia um agravamento da situação epidemiológica» no país.

Para já, a maioria dos concelhos do continente português, com exceção de 25, vai ter no próximo fim de semana proibição de circulação entre municípios e recolher obrigatório entre as 13h00 e as 5h00, segundo foi hoje anunciado.

O governo decidiu hoje «estender as regras atualmente em vigor» no combate à pandemia no território continental, no âmbito do novo estado de emergência, determinando ainda uma «medida cautelar» no próximo fim de semana para os concelhos com maior risco.

Em conferência de imprensa, após a reunião do Conselho de Ministros, o primeiro-ministro, António Costa, explicou que essa medida inclui a proibição de circulação entre concelhos e o recolher obrigatório a partir das 13h00 e até às 05h00 do dia seguinte durante o próximo fim de semana, medidas que se aplicam nos concelhos com mais de 240 novos casos de COVID-19 por 100 mil habitantes.

«Só não se aplicam em 25 concelhos, em que o número de novos casos é inferior a 240», revelou António Costa.

Na quinta-feira, o Presidente da República Marcelo Rebelo de Sousa decretou a renovação do estado de Emergência por mais oito dias, até 15 de janeiro, para permitir medidas de contenção da COVID-19.