Cláudio Lima sucede a Rui Cristina na liderança do PSD Loulé

  • Print Icon

A nova Comissão Política do Partido Social Democrata (PSD) Loulé é agora presidida por Cláudio Lima.

As eleições para a nova Comissão Política de Secção de Loulé do Partido Social Democrata (PSD), contaram com uma lista única, encabeçada por Cláudio Lima, que sucede a Rui Cristina como presidente desta estrutura concelhia. O ato eleitoral teve lugar no dia 19 de fevereiro.

Ao barlavento, Cláudio Lima assume que «o PSD vive um momento muito sensível. Os últimos resultados eleitorais ditaram a vitória do Partido Socialista (PS) nas autárquicas e nas legislativas. Agora é tempo de cerrar fileiras para que os próximos desafios tenham outro desfecho».

No que diz respeito a Loulé, «teremos, de acordo com o calendário eleitoral atual, eleições autárquicas em 2025. O atual presidente da Câmara Municipal, o socialista Vítor Aleixo, já não se pode candidatar por terminar um período de 12 anos de governação. A história da democracia em Loulé tem ditado nos últimos anos uma alternância, em ciclos políticos que correspondem a este tempo. O que me leva a acreditar que as pessoas entendem a necessidade de estabilidade na governação, mas também sabem que é preciso fomentar a alternância de poder. O que posso desde já prometer é que o PSD estará preparado, quando for chamado a tal e caso seja essa a vontade das pessoas, para assumir a responsabilidade de governar o município».

Fazem parte da Comissão Política os vice-presidentes Maria de Deus Domingos e José Leal, André Dias na qualidade de Tesoureiro, Martim Ventosa enquanto secretário e os Vogais João Santos, Sílvia Martins, David Coelho, Vânia Guerreiro, Acácio Costa, Rúben Santos, José Borges e Damásio Santos. Rui Cristina, eleito deputado à Assembleia da República e vereador do PSD na Câmara Municipal de Loulé, é agora o novo presidente da Mesa da Assembleia de Secção do PSD Loulé.

«Preparar o Futuro» é o título do manifesto eleitoral, que apresenta com detalhe os membros da estrutura que vão dar corpo ao trabalho que agora se inicia.

Num apelo à união dentro do partido, no documento lê-se que «os militantes são e serão sempre o alicerce fundamental dos resultados eleitorais. Desagregados de um objetivo comum, dificilmente seremos capazes de ter um resultado diferente daquilo que tivemos no passado. Mas juntos, seremos a alternativa de poder que Loulé tanto necessita».