Candidatos do PS Algarve dedicam semana às empresas e ao emprego

  • Print Icon

Candidatos do Partido Socialista (PS) Algarve dedicam esta semana aos empresários «que acreditam e investem» na região.

Os candidatos do Algarve pelo Partido Socialista (PS) à Assembleia da República dedicam esta semana de campanha à economia e ao emprego, «contribuindo desta forma para verificar no terreno a retoma no turismo ainda em tempo de pandemia e destacar sectores complementares onde o Algarve já tem ou pode ser competitivo».

Em nota enviada à redação do barlavento, o PS Algarve lembra que «durante os piores momentos da pandemia em que a atividade empresarial do turismo foi obrigada a parar o governo do Partido Socialista disponibilizou mais de 352 milhões de euros em apoios diretos às empresas do Algarve».

Jamila Madeira, cabeça de lista dos socialistas algarvios recorda que «foi esta política de solidariedade, de um governo que diz presente, que fez com que o desemprego no Algarve, apesar de ter subido muito, nunca tivesse chegado aos números da crise financeira 2011/2015 gerida pelo PSD que dizia às pessoas para emigrar e às empresas que tinham que aguentar ou encerrar. Pelo contrário, com o PS e com António Costa, foi possível apoie a economia, salvar as empresas e garantir através do layoff o pagamento dos salários aos trabalhadores e isso faz com que hoje o desemprego no Algarve já esteja abaixo da média nacional».

Os candidatos do PS visitaram a Marina de Lagos e duas unidades hoteleiras em Lagos e Portimão, empresas que apesar da crise reforçaram os quadros de pessoal permanente e estão de novo a contratar trabalhadores assumindo salários em média mais altos do que antes da pandemia.

A construção de habitação acessível que o governo do PS e as câmaras municipais têm em curso foi um dos aspectos mais destacados pelos empresários da hotelaria para a competitividade da região pois o Algarve tem carência de mão de obra e precisa de habitação acessível para as famílias trabalhadoras.

No Algarve já estão contratualizados entre o governo do PS e as Câmaras Municipais da região a construção de 3.322 fogos de habitação num investimento com recurso a fundos comunitários estimado, até este momento, em 203 milhões de euros.