Candidatura a provedor da Misericórdia de Alvor

  • Print Icon

Após prolongada reflexão, contactos vários e ponderação no desafio que me destinaram capitalizar, por membros da irmandade da Santa Casa da Misericórdia de Alvor (SCMA), amigos e população da Freguesia de Alvor em particular, decidi aceitar, face à opinião unânime, ser candidato na próxima eleição a realizar-se em dezembro, a provedor. Candidato-me porque dificilmente recuso desafios aliciadores e, sobretudo, porque é irreversível rever a atual situação da SCMA bem como, o facto de o professor José Pereira Duarte Lopes já ter comunicado, em ofício formal a toda a irmandade e, em ato oficial intencional, no passado dia 1 de outubro, não se recandidatar depois de 47 anos no cargo, e 63 como mesário da SCMA. Insigne! Por outro lado, a SCMA deve ser entidade certificadora da qualidade e serviços que se impõe a uma instituição com o cariz solidário que a carateriza na vertente de Pessoa Coletiva de Utilidade Pública (PCUP) e Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS) ganhando maior credibilidade pública e reconhecimento dos organismos que a tutelam, bem como de todos os pares da União das Misericórdias Portuguesas. Teremos que ser, também, um referencial incondicional de grande exigência, transparência e decência. Aliás, factos que me têm arrolado ao longo de cerca de 30 anos dedicados à solidariedade, bem como à diversidade de cargos que ocupei na sociedade portimonense até hoje. É um enorme orgulho ter sido rogado para este alto cargo. Refletirei materializar com empenho e leal dedicação, desafio que me retira do almejado «lugar de conforto» que julgava estar próximo. Já deixei a vida ativa há alguns anos, mas vou continuar, assim, a oferecer os meus préstimos a favor de terceiros e da sociedade civil se me confiarem o voto essencial em democracia, que desejo seja, obtido na pluralidade. Conto consigo, com o seu apoio e confiança indelével no ato eleitoral. Não será fácil! O único aparelho ou máquina eleitoral que tenho é a minha postura límpida demonstrada na gestão de anteriores cargos que ocupei e ocupo com seriedade, honestidade, humildade e inexcedível entrega. O programa ou contingência que possa apresentar sou eu próprio, cheio de qualidades e defeitos, mas com uma certeza – servir sem ser servido. Ultimando dizer-vos que o faço para que os mais jovens venham para o seio desta instituição e possam ser o garante dos seus utentes no futuro de cuidadores próximo do exemplo que perfilhei, na certeza de ser a alma do meu modelo solidário sem mácula. Iremos corroborar pelo espírito de liderança e fiança no trabalho em equipa que sempre advoguei.

Mário de Freitas