Museu de Loulé alia-se às escolas na educação para o património

  • Print Icon

No arranque de mais um ano letivo, o programa «Visita Brincando», destinado ao público escolar, volta a proporcionar às escolas um conjunto de atividades que têm como ponto de partida o património cultural do concelho.

Este ano a grande novidade será a integração de iniciativas promovidas no âmbito da candidatura do aspirante Geoparque Algarvensis Loulé-Silves-Albufeira a Geoparque Mundial da UNESCO.

Com este projeto, a Autarquia pretende promover o desenvolvimento sustentável do território a partir das comunidades e da sua qualidade e modo de vida, assim como da riqueza geológica, tornando Loulé num destino sustentável e potencialmente turístico de interesse mundial, por via do seu património geológico.

O Museu de Loulé oferece atividades de educação não formal nos seus espaços, oferecendo experiências únicas e conhecimentos que levarão à descoberta dos louletanos de outros tempos, dos seus modos de vida e do património que legaram.

No que toca ao programa «Visita Brincando», as atividades irão decorrer na Zona Histórica de Loulé, na sede do Museu e nos pólos da Cozinha Tradicional, Frutos Secos e Salir. As propostas lúdico-pedagógicas deste programa estão adaptadas às diferentes faixas etárias, e são as seguintes: «Em busca do passado»; «A cápsula do tempo»; «Quem conta um conto…»; «A Lenda das Amendoeiras»; «O pomar algarvio»; «Há jogos em todo o lado!»; «Mudam-se as gentes…Seremos assim tão diferentes?»; «Uma aventura no Centro Histórico» e «O Museu vai à escola».

Relativamente ao Geoparque Algarvensis Loulé-Silves-Albufeira, aspirante a Geoparque Mundial da UNESCO, as ações promovidas ao longo do ano passarão sobretudo por saídas de campo mas também atividades em sala de aula (e no seu exterior), com componente teórica e prática: «Alte e os seus encantos»; «Macroinvertebrados os pequenos importantes seres das ribeiras»; «Uma aventura na aldeia da Pena»; «Venham descobrir as aves na Fonte da Benémola»; «À caça de rochas e fósseis em Silves»; «Detetives do património só por meia hora»; «Peddy paper do Castelo – As pedras contam uma história»; «Sítio da Ribeira de Quarteira – percurso cultural e ambiental»; «O grande salto da rã»; «Um salto para o passado»; «Paleogincana»; «Eu sou o metoposaurus. E tu, como te chamas?»; «Paleontologando»; «Rocha… Conta-nos a tua história»; «Adobes e taipa – a geologia das nossas casas ancestrais» e «Pigmentos da terra – pintando com pedras».

Como vem sendo prática em anos anteriores, os técnicos do Museu de Loulé encontram-se igualmente disponíveis para programar ações educativas em conjunto com a comunidade escolar, de modo a ir ao encontro das necessidades sentidas pelos professores e, sobretudo, para tornar o património cultural um parceiro para a aprendizagem e para o desenvolvimento cultural dos alunos.

Para quem não se pode deslocar, o Museu vai à escola, levando assim a educação patrimonial aos estabelecimentos de ensino e proporcionando momentos de aprendizagem em contexto de sala de aula.

Com mais de uma década de existência, «o Visita Brincando tem-se renovado, ano após ano, sendo um importante veículo para despertar, desde cedo, o interesse das gerações mais novas para as questões patrimoniais e para o aprofundamento da História local e da identidade louletana», considera a Câmara Municipal de Loulé.