Mais três escolas do concelho de Olhão livres de amianto

  • Print Icon

O município de Olhão viu aprovadas, recentemente, as candidaturas para a remoção de amianto de mais três escolas do concelho.

Trata-se de um investimento de cerca de 480 mil euros, financiado na sua quase totalidade – o município assumiu os projetos de arquitetura – por fundos comunitários do Plano de Estabilização Económica e Social, que vão tornar as escolas EB2-3 João da Rosa, Dr. João Lúcio e Dr. Alberto Iria, estabelecimentos de ensino livres de amianto.

As intervenções de remoção das telhas de amianto avançam no terreno brevemente, devendo o processo ficar concluído até final de julho.

Para que o concelho de Olhão se torne num concelho livre de amianto na totalidade das suas escolas, fica a faltar apenas a EB2-3 Professor Paula Nogueira, cujo investimento, por ser avultado, aguarda financiamento.

O amianto é uma fibra natural que suporta a altas temperaturas sem arder, durável e flexível. Tem ainda boas propriedades isolantes e muita resistência a ácidos e bactérias, para além do baixo preço, pelo que foi amplamente utilizada na construção civil entre os anos 1960 e 1990.

No entanto, desde 2005 que a União Europeia proibiu o uso de amianto, devido ao risco para a saúde, provocado, sobretudo, pela inalação de fibras libertadas para o ar.

Escolas do Algarve vão ficar livres de amianto

A Comissão Diretiva do Programa Operacional do Algarve aprovou 27 operações de investimento de municípios, para intervenções de remoção de amianto nas escolas.

Estas candidaturas referem-se a obras prestes a ser concluídas, em curso e em procedimento, desenvolvidas ao abrigo de Aviso lançado em julho de 2020, no âmbito dos investimentos de proximidade previstos no Plano de Estabilização Económica e Social (PEES), cumprindo o objetivo estratégico de proteger o emprego e melhorar as condições ambientais dos estabelecimentos escolares.

Neste contexto, os municípios de Albufeira (duas escolas), Faro (quatro), Lagoa (três), Loulé (quatro), Monchique (duas), Olhão (três), Portimão (três), São Brás de Alportel (duas), Silves (duas) e Tavira (duas) apresentaram 27 candidaturas, para as quais foi aprovado um apoio global de 3.651.488,70 euros, que permitirão retirar 57 854,61 metros quadrados de amianto nas escolas, proveniente do Fundo Europeu Regional (FEDER).