Algarve regista decréscimo de 69,6 por cento em pedidos de patentes

  • Print Icon

Dados sobre o Algarve estão incluídos no barómetro «Patentes Made in Portugal 2021».

A região do Algarve decresceu 69,6 por cento em pedidos de patentes submetidos no Instituto Nacional de Propriedade Intelectual (INPI) quando comparado com 2019.

Numa análise feita às regiões portuguesas, mais especificamente os pedidos submetidos no Instituto Nacional de Propriedade Intelectual (INPI), a região norte tem consolidado a sua posição, tendo alcançado um aumento de 7 por cento em 2020 nos pedidos nacionais.

Já nos pedidos de patente europeia, a região Norte teve um aumento de 12 por cento, face ao período de 2019.

Por sua vez, a região do Alentejo teve um aumento de 90,3 por cento, e a região centro de 8,1 por cento, já a Madeira registou um decréscimo na ordem dos 28,6 por cento e a Área Metropolitana de Lisboa de 21,3 por cento.

Os principais requerentes com origem em Portugal, com pedidos submetidos em 2020, são a Universidade do Minho e a Universidade do Porto que dividem a liderança no número de invenções apresentadas.

Os dados são do barómetro «Patentes Made in Portugal 2021» realizado pela Inventa, empresa especializada em proteção de propriedade intelectual e direitos de autor.

Os sectores farmacêutico, de engenharia civil, de tecnologias médicas e da química orgânica fina são os que mais se destacam nos pedidos de patente com origem em Portugal, embora invenções relacionadas com tecnologias computacionais e comunicação digital estejam em franca ascensão.

Em termos gerais, comparando a posição de Portugal face a outros países europeus, o nosso país subiu nove posições no ranking europeu de pedidos de patente entre 2001 e 2019, o que corresponde a um aumento de sete vezes (em 2001, Portugal tinha 305 pedidos submetidos; em 2019 alcançou os 2150 pedidos).

Muito embora não tenha alcançado o top 10 europeu, a taxa média de crescimento anual de pedidos com origem em Portugal foi de 10,8 por cento.

A liderar o ranking europeu encontram-se a Alemanha, França e Reino Unido, sendo que Portugal, em 2019, se encontrava no 20.º lugar.

Com o intuito de acompanhar a evolução dos pedidos de proteção de patentes em Portugal, a Inventa, consultora especializada em propriedade intelectual, lançou o Barómetro «Patentes Made in Portugal 2021», que apresenta estatísticas e indicadores desde os anos 2001 até 2020.

O barómetro apresenta uma visão geral dos pedidos com origem em Portugal, no país e no estrangeiro e revela ainda os principais requerentes de 2020 em Portugal.

Sobre a Inventa

A Inventa é uma consultora especializada em propriedade intelectual. Com mais de 50 anos de experiência, a consultora portuguesa conta com uma das maiores equipas de agentes de oficiais de propriedade intelectual no país, sendo uma referência na proteção e internacionalização de marcas, patentes, direitos de autor e domínios.

Fundada nos anos 1970, a Inventa tem escritórios em Portugal, Angola, Nigéria e Moçambique, Cabo Verde, São Tomé e Príncipe, Macau e Timor. Adicionalmente a empresa conta com uma consolidada rede de escritórios associados, o que lhe permite assegurar a oferta de serviços a nível global.