Confiança dos consumidores e clima económico recuperaram em abril

  • Print Icon

Segundo dados do Instituto Nacional de Estatística.

Os indicadores de confiança dos consumidores e de clima económico aumentaram «significativamente» em abril, à semelhança do mês anterior, para níveis do início da pandemia, informou hoje o Instituto Nacional de Estatística (INE).

De acordo com os inquéritos de conjuntura às empresas e aos consumidores, hoje divulgados, em abril o indicador de confiança dos consumidores «aumentou significativamente, à semelhança do mês anterior, aproximando-se do nível observado em março de 2020».

Quanto ao indicador de clima económico, «aumentou de forma expressiva em março e abril, superando ligeiramente o nível observado no início da pandemia (março de 2020)».

Segundo o INE, o indicador de confiança dos consumidores recuperou de -20,2 pontos em março para -17,1 pontos em abril e o indicador de clima económico avançou de -0,7 pontos para 1,0 pontos.

Em abril, os indicadores de confiança aumentaram na indústria transformadora, na construção e obras públicas, no comércio e nos serviços.

Esta evolução, de acordo com o INE, ocorreu num contexto de «abrandamento significativo dos efeitos sobre a saúde pública da pandemia COVID-19 face ao observado nos meses anteriores».

A evolução do último mês do indicador de confiança dos consumidores «resultou sobretudo do contributo positivo das expectativas relativas à evolução futura da situação económica do país, tendo as expectativas relativas à evolução futura da realização de compras importantes e da situação financeira do agregado familiar também contribuído positivamente, enquanto as opiniões sobre a evolução passada da situação financeira do agregado familiar registaram um contributo nulo».

O saldo das expectativas relativas à evolução futura da situação económica do país «aumentou expressivamente» em março e abril, após ter diminuído no mês anterior.

Já o saldo de respostas extremas (SER) das perspetivas relativas à evolução futura da situação financeira do agregado familiar aumentou nos últimos três meses, depois da estabilização registada em janeiro.

Para o inquérito de conjuntura de abril de 2021, os períodos de recolha de informação decorreram entre 1 e 16 (dias úteis), no caso do inquérito aos consumidores, com 1.128 respostas obtidas (entrevistas telefónicas), e entre 1 e 23 no caso dos inquéritos às empresas.