UAlg acolhe XVI Congresso de Psicologia Ambiental em abril

  • Print Icon

A Universidade do Algarve (Ualg) vai acolher, no campus de Gambelas, em Faro, o XVI Congresso de Psicologia Ambiental, de 11 a 14 de abril.

O evento é uma iniciativa partilhada com a Associação Ibérica de Psicologia Ambiental (PSICAMB), coletivo fundado em 2015 que une investigadores de Portugal e Espanha.

O congresso, que decorre de dois em dois anos numa universidade ibérica, acontecerá pela terceira vez em Portugal.

O tema desta edição é «Pessoas e lugares no mundo em mudança: comportamento socioespacial para a sustentabilidade».

Segundo a organização, sob a direção de Gabriela Gonçalves, professora da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da UAlg, «numa altura em que as problemáticas ambientais e a urgência da sustentabilidade dominam os debates públicos, os congressos bienais da PSICAMB reúnem, na Península Ibérica, investigadores europeus, da América Latina, e até de outros continentes, para partilhar as mais recentes perspectivas sobre sobre as múltiplas interações entre pessoas e ambiente».

Nesta edição, a Ualg irá acolher mais de uma centena de investigadores de países como a Alemanha, Bélgica, Brasil, Chile, Costa Rica, Espanha, França, Itália, México, Portugal e
Suécia.

Durante quatro dias, vão ser apresentadas duas conferências plenárias, 84 comunicações orais, 28 posters e dois simpósios.

Um dos pontos altos do programa é atribuição do Prémio Rocío Martín, um novo galardão cujo objetivo é apoiar jovens investigadores no domínio da psicologia ambiental.

«As atitudes, os valores e os comportamentos pró-ambientais, a par da educação e dos programas de intervenção psico-ambiental, e da percepção e comunicação de riscos e gestão de desastres ambientais, serão alguns dos temas em cima da mesa», acrescenta a organização.

O XVI Congresso de Psicologia Ambiental tem a coordenação científica de María Amerigo, professora catedrática da Universidade de Castilla la Mancha, academia com campi nas cidades espanholas de Albacete, Cuenca, Cidade Real e Toledo.

O evento estava calendarizado para 2021, mas o evoluir da pandemia de COVID-19 obrigou ao seu adiamento.

Ainda assim, a comunidade científica mostrou-se recetiva, com a organização a receber mais de 150 abstrats. Entre os 28 posters já aprovados, metade concorrem ao Prémio Rocío Martín.

«Ambientes naturais»; «Espaços urbanos»; «Atitudes, valores e comportamento pró-ambiental»; «Ambientes institucionais: escolas, hospitais e ambientes laborais»; «Comportamento socioespacial humano: apinhamento (crowding), privacidade, territorialidade e espaço pessoal» e «Efeitos do ambiente sobre a saúde, o bem-estar e a qualidade de vida» são alguns dos temas em debate.

O programa final será em breve disponibilizado online no site do evento.