Preço das casas no Algarve subiu 2,1 por cento em novembro

  • Print Icon

Preço das casas no Algarve subiu 2,1 por cento em novembro e ultrapassa os 3000 euros por metro quadrado (m²), segundo o idealista.

Os preços das casas no Algarve apresentaram uma subida de 2,1 por cento em novembro face ao mês anterior.

Segundo o índice de preços do portal imobiliário idealista, comprar casa tinha um custo de 3.044 euros por metro quadrado (euros/m²) no final do mês de novembro deste ano, tendo em conta o valor mediano. Já em relação à variação trimestral, a subida foi de 7 por cento e a anual de 17,7 por cento.

Analisando por municípios, os preços na região apresentaram uma subida em Vila do Bispo (2,9 por cento), Silves (2,7 por cento), Loulé (2,6 por cento), Castro Marim (2,3 por cento), São Brás de Alportel (2,1 por cento), Lagos (1,8 por cento), Olhão (1,8 por cento), Portimão (1,8 por cento), Albufeira (1,7 por cento), Tavira (0,8 por cento), Lagoa (0,7 por cento) e Aljezur (0,3 por cento).

Em sentido contrário, os preços apenas desceram em Vila Real de Santo António (-3 por cento), Monchique (-1,2 por cento), Alcoutim (-1 por cento) e Faro (-0,2 por cento).

O município mais caro para comprar casa é Loulé (3.751 euros/m²), seguido por Vila do Bispo (3.481 euros/m²) e Lagos (3.449 euros/m²). Seguem-se Castro Marim (3.423 euros/m²), Lagoa (3.272 euros/m²), Albufeira (3.006 euros/m²), Aljezur (2.904 euros/m²), Tavira (2.807 euros/m²), Vila Real de Santo António (2.615 euros/m²), Olhão (2.579 euros/m²) e Faro (2.542 euros/m²).

Em contrapartida, os mais económicos são em Alcoutim (866 euros/m²), Monchique (2.244 euros/m²), São Brás de Alportel (2.145 euros/m²), Portimão (2.362 euros/m²) e Silves (2.524 euros/m²).

A nível nacional, o preço da habitação subiu 1,9 por cento durante o mesmo período, situando-se em 2.460 euros/m².

Cidades capitais de distrito

Os preços das casas em novembro subiram em 17 capitais de distrito, com Vila Real (5 por cento), Viseu (4,4 por cento) e Beja (3,8 por cento) a liderarem a lista. Seguem-se Castelo Branco (2,5 por cento), Santarém (2,4 por cento), Ponta Delgada (2,4 por cento), Guarda (2,3 por cento), Braga (1,8 por cento), Funchal (1,4 por cento), Lisboa (1,2 por cento), Viana do Castelo (1,2 por cento), Bragança (1 por cento), Évora (0,9 por cento), Coimbra (0,8 por cento), Setúbal (0,6 por cento), Leiria (0,5 por cento) e Porto (0,5 por cento).

Em Aveiro, os preços mantiveram-se estáveis durante o mês de novembro. Por outro lado, os preços apenas desceram em Portalegre (-2,4 por cento) e Faro (-0,2 por cento).

Lisboa continua a ser a cidade onde é mais caro comprar casa: 5.145 euros/m². Porto (3.188 euros/m²) e Funchal (2.618 euros/m²) ocupam o segundo e terceiro lugares, respetivamente.

Seguem-se Faro (2.542 euros/m²), Aveiro (2.451 euros/m²), Setúbal (2.158 euros/m²), Évora (1.975 euros/m²), Coimbra (1.751 euros/m²), Ponta Delgada (1.632 euros/m²), Braga (1.551 euros/m²), Viana do Castelo (1.407 euros/m²), Viseu (1.347 euros/m²) e Leiria (1.329 euros/m²).

Já as cidades mais económicas são Portalegre (644 euros/m²), Castelo Branco (818 euros/m²), Bragança (819 euros/m²), Guarda (837 euros/m²), Beja (954 euros/m²), Santarém (1.008 euros/m²) e Vila Real (1.142 euros/m²).

Distritos/ilhas

As maiores subidas de preços tiveram lugar na ilha Terceira (9,7 por cento), ilha de São Jorge (7,2 por cento) e ilha do Faial (6,4 por cento).

Seguem-se ilha do Pico (5,6 por cento), ilha de Porto Santo (5,2 por cento), Évora (4,5 por cento), Viana do Castelo (4,2 por cento), Bragança (3,7 por cento), Coimbra (3,7 por cento), Viseu (2,8 por cento), Leira (2,8 por cento), ilha de São Miguel (2,7 por cento), Faro (2,1 por cento) e Braga (2,1 por cento).

Com subidas inferiores a 2 por cento encontra-se a ilha da Madeira (1,8 por cento), Santarém (1,7 por cento), ilha de Santa Maria (1,4 por cento), Setúbal (1,4 por cento), Vila Real (1 por cento), Lisboa (0,8 por cento), Castelo Branco (0,6 por cento), Aveiro (0,6 por cento) e Porto (0,3 por cento).

Os preços mantiveram-se estáveis no distrito de Beja durante o mês de novembro. Por outro lado, os preços desceram na Guarda (-1 por cento) e Portalegre (-0,5 por cento).

De referir que o ranking dos distritos mais caros para comprar casa é liderado por Lisboa (3.843 euros/m²), seguido por Faro (3.044 euros/m²), Porto (2.390 euros/m²), ilha da Madeira (2.353 euros/m²), Setúbal (2.303 euros/m²), ilha de Porto Santo (1.691 euros/m²), Aveiro (1.639 euros/m²), Leiria (1.436 euros/m²), Braga (1.435 euros/m²), ilha de São Miguel (1.415 euros/m²), Coimbra (1.315 euros/m²), ilha do Pico (1.304 euros/m²), Viana do Castelo (1.228 euros/m²), Évora (1.216 euros/m²), ilha de Santa Maria (1.172 euros/m²), ilha do Faial (1.164 euros/m²), ilha Terceira (1.102 euros/m²) e ilha de São Jorge (1.059 euros/m²).

Os preços mais económicos encontram-se em Portalegre (638 euros/m²), Guarda (657 euros/m²), Castelo Branco (725 euros/m²), Bragança (875 euros/m²), Beja (922 euros/m²), Vila Real (943 euros/m²), Viseu (964 euros/m²) e Santarém (997 euros/m²).

Regiões

Durante o mês de novembro, os preços das casas subiram em todas as regiões do país. A liderar as subidas, encontra-se a Região Autónoma dos Açores (4,6 por cento), o Alentejo (3,7 por cento) e o Algarve (2,1 por cento).

Segue-se a Região Autónoma da Madeira (1,9 por cento), o Centro (1,8 por cento), o Norte (1,1 por cento) e a Área Metropolitana de Lisboa (0,8 por cento).

A Área Metropolitana de Lisboa, com 3.476 euros/m², continua a ser a região mais cara para adquirir habitação, seguida pelo Algarve (3.044 euros/m²), Região Autónoma da Madeira (2.339 euros/m²) e Norte (2.025 euros/m²).

Do lado oposto da tabela encontram-se a Região Autónoma dos Açores (1.296 euros/m²), o Centro (1.331 euros/m²) e o Alentejo (1.408 euros/m²) que são as regiões mais baratas para comprar casa.

Índice de preços imobiliários do idealista

Para a realização do índice de preços imobiliários do idealista, são analisados ​​os preços de oferta (com base nos metros quadrados construídos) publicados pelos anunciantes do idealista. São eliminados da estatística anúncios atípicos e com preços fora de mercado.

Inclui ainda a tipologia «moradias unifamiliares» e descarta todos os anúncios que se encontram na nossa base de dados e que estão há algum tempo sem qualquer tipo de interação pelos utilizadores. O resultado final é obtido através da mediana de todos os anúncios válidos de cada mercado.