Portimonense dominou mas não foi além do empate em Paços de Ferreira

  • Print Icon

Tarefa do Portimonense adivinhava-se difícil, na visita ao Paços de Ferreira, equipa sensação da Liga NOS, nesta 18ª jornada. No entanto, os algarvios dominaram por completo e o empate sabe a pouco.

A turma alvinegra entrou bem melhor em jogo nesta tarde de terça-feira, dia 9 de fevereiro, conseguindo por diversas vezes incomodar o guardião dos castores, Jordi.

Primeiro foi Beto que, aos oito minutos, apareceu isolado na cara do keeper brasileiro, que com uma saída acrobática impediu os intentos do avançado portimonense.

Mais tarde, já aos 22 minutos, Aylton Boa Morte arrancou um grande trabalho no flanco direito do ataque algarvio, mas o seu bom cruzamento não encontrou cabeça para lhe dar o caminho do golo.

Os pacenses conseguiram equilibrar a primeira metade mas, ao minuto 38, voltou a ser o Portimonense a dar novo sinal de alerta. Novamente Aylton Boa Morte, com um belo trabalho na direita, a oferecer o golo a Beto, que atirou, de cabeça, ao lado.

A partida registou uma interrupção ao minuto 42, devido a uma carga de água (e granizo) que se abateu sobre o Estádio Capital do Móvel, mas a natureza acalmou e três minutos depois os atletas voltaram a fazer rolar a bola.

E Dener mesmo ao cair do pano da primeira parte, no coração da área, teve chance de adiantar os alvinegros antes do intervalo, mas o remate foi travado pela defensiva do Paços de Ferreira.

Os anfitriões entraram mais dinâmicos na segunda metade, mas foi novamente o Portimonense a ter uma grande oportunidade de golo, já para lá do minuto 69. Na sequência de um canto e após bom trabalho de Willyan, Dener apareceu à boca da baliza e atirou por cima, falhando um golo cantado.

A turma de Paulo Sérgio voltou a comandar por completo a partida e dispôs de uma flagrante ocasião para se adiantar no marcador aos 82 minutos. Henrique, que entrou na segunda parte, descaído para o flanco esquerdo do ataque algarvio, fletiu para dentro e rematou com muito perigo à baliza de Jordi.

Na jogada seguinte, os castores deram um ar da sua graça e Douglas Tanque, em boa posição, atirou por cima e assustou Samuel Portugal, guarda-redes do Portimonense.

Aos 87 minutos, mais uma clamorosa chance de golo para a turma do Barlavento. Bruno Moreira, também ele lançado na etapa complementar por Paulo Sérgio, rematou e já se preparava para festejar, mas o central Marco Baixinho, em cima da linha, evitou o tento e segurou o empate.

O Portimonense soma agora 16 pontos e mantém-se, à condição, acima da zona perigosa da classificação. Na próxima jornada do campeonato, os algarvios recebem o Gil Vicente, domingo, 14 de fevereiro, às 15h00.