Poder de compra em Portugal cai para 76,4% da média europeia em 2020

  • Print Icon

Poder de compra em Portugal caiu 2,2 pontos percentuais em 2020 face a 2019, situando-se em 76,4 por cento da média europeia, devido ao impacto da pandemia de COVID-19 na economia, divulgou hoje o Instituto Nacional de Estatística.

«Em 2020, o Produto Interno Bruto per capita, expresso em Paridades de Poder de Compra, situou-se em 76,4 por cento (%) da média da União Europeia em 2020, valor inferior em 2,2 pontos percentuais ao verificado em 2019 (78,6%), refletindo, em larga medida, o maior peso relativo em Portugal das atividades económicas mais afetadas pelo contexto pandémico», avança o Instituto Nacional de Estatística (INE).

O INE refere que em Portugal, em termos nominais, o PIB per capita em 2020 diminuiu 6,8%, determinado pela redução nominal do PIB (-6,7%), uma vez que a população em 2020 foi marginalmente superior ao ano anterior.

«Os países com reduções mais substanciais do PIB per capita em 2020 são aqueles em que as atividades relacionadas com o turismo tinham um peso mais expressivo em 2019 e que registaram fortes reduções em 2020», destaca o instituto.

Entre os 19 estados-membros que integram a zona euro, Portugal manteve em 2020 a 16.ª posição, abaixo da Estónia (84,2%), da Espanha (84,4%) e da Lituânia (86,9%) e à frente da Letónia (70,4%), Eslováquia (70,1%) e Grécia (62,4%).

O INE realça que, «considerando os valores ordenados por ordem decrescente, observa-se que a dispersão do indicador de volume do PIB per capita medido em PPC (Paridades de Poder de Compra) nos 27 Estados-Membros da UE é muito significativa».

O Luxemburgo apresenta o índice mais elevado entre os 37 países analisados, com 263,1%, mais de duas vezes e meia acima da média dos 27 países da União Europeia e cerca de cinco vezes maior que o da Bulgária (54,9), o país da UE com o valor mais baixo.

«Em termos globais, em resultado dos impactos heterogéneos da pandemia COVID-19 nas diferentes economias europeias, verificaram-se variações significativas dos índices de volume do PIB per capita medido em PPC entre 2019 e 2020, com reduções em 16 dos 37 países participantes no exercício», refere o INE.

Enquanto Portugal registou uma redução de 2,2 pontos percentuais (p.p.), os maiores decréscimos em 2020 foram observados na Islândia (-6,8 p.p.), em Malta e em Espanha (-6,3 p.p. em ambos os casos).

Em sentido contrário, o INE salienta «os aumentos significativos» dos índices de volume do PIB per capita da Irlanda (18,8 p.p.), o segundo país com maior nível de riqueza per capita, do Luxemburgo (8,8 p.p.), o país com o maior índice de volume em 2020, e da Dinamarca (7,2 p.p.).

Segundo o instituto, a Despesa de Consumo Individual (DCI) per capita, que constitui «um indicador mais apropriado para refletir o bem estar das famílias, fixou-se em 84,4% da média da União Europeia, valor inferior em 1,2 pontos percentuais ao observado em 2019 (85,6%)».

Neste indicador, Portugal ocupa a 13.ª posição entre os países da zona euro.