Olhão suspende adjunto Sérgio Viana por suspeita de agressões na via pública

  • Print Icon

Sérgio Viana, adjunto do gabinete do presidente da Câmara Municipal de Olhão, está «suspenso» devido a «um episódio de natureza pessoal» na via pública.

O caso remete para uma filmagem de videovigilância que está a circular nas redes sociais, a qual mostra o adjunto do gabinete do presidente da Câmara Municipal de Olhão, Sérgio Viana, a atacar um cidadão com um machado.

A rixa terá acontecido na Rua Nova do Levante, ontem, dia 10 de fevereiro, às 17h50 e terá sido motivada por uma série de críticas à gestão autárquica que o atacado fez na rede social Facebook.

O autarca de Olhão, António Miguel Pina tomou conta do «episódio de natureza pessoal ocorrido na via pública e envolvendo o adjunto do meu gabinete, Sérgio Viana, que oportunamente me comunicou a sua versão dos factos» acerca do que terá acontecido.

«Ainda que esse mesmo episódio tenha tido lugar fora das horas de serviço e sem que o referido colaborador estivesse sequer no exercício e desempenho das suas funções, dei instruções para que fossem desencadeadas as averiguações necessárias para o cabal esclarecimento do caso, sendo que até esse momento Sérgio Viana estará suspenso das funções que exerce no município», disse o presidente da Câmara em comunicado enviado às redações.

Nuno Miguel, o atacado, contou ao barlavento que se cruzara com Sérgio Viana ao final da tarde de ontem.

«Estacionei, ele parou o carro à minha frente, saiu e veio direito a mim a pedir-me justificações sobre os posts que eu publico no Facebook sobre a autarquia e sobre algumas licenças que são um pouco suspeitas. Nunca falei com a pessoa e não a conheço pessoalmente. Este foi o primeiro contacto e procedeu daquela forma», relatou.

A vítima diz ter chamado a polícia, que não compareceu no local, e só depois do final do conflito é que apresentou queixa na esquadra da Polícia de Segurança Pública (PSP) de Olhão.

«É o que está nas filmagens. Ele só guardou o machado quando viu que estava a ser filmado», disse. A discussão terá sido presenciada por outros populares e transeuntes.

O atacado, contudo, nega ter denegrido a imagem do membro da autarquia. «Se ele se sente difamado, pois que avance com um processo judicial, mas não venha atrás de mim com um machado. Que apresente queixa nas autoridades, como eu estou a fazer».

Nuno Miguel, que já fez parte da comissão de trânsito da Câmara Municipal de Olhão, durante o mandato de Francisco Leal, teme vir a sofrer «represálias» futuras.

O barlavento contactou o executivo olhanense que se lamentou a comentar o episódio e escusou-se a fazer mais declarações.

Álvaro Viegas, vereador do Partido Social Democrata (PSD) na Câmara Municipal de Olhão, também já tomou uma posição pública sobre o incidente.

«É verdade que somos um povo pacífico e que tirando a pequena criminalidade e alguns crimes passionais nada de muito grave acontece nesta nossa terra. Também é verdade que os filmes de cowboys e índios só aconteceram na nossa infância e que por via dessa memória ficamos espantados quando alguém exibe um machado para atingir outro cidadão. Em Olhão é diferente. Por sermos mais autênticos e peculiares uma personagem com funções públicas camarárias decide ameaçar outrem com um machado, infelizmente para o agressor tudo foi gravado e certamente responderá por este crime de ameaça agravada», considerou.

O vídeo pode ser visto no blogue Olhão Livre.