MauMau Maria: o restaurante de Olhão onde cada prato é uma memória

  • Print Icon

Abriu há menos de um mês, mas as reservas já têm lista de espera. No MauMau Maria recordam-se as tradições e os segredos culinários que só as avós e as mães conhecem.

O número 24 do Largo João da Carma, em pleno Bairro da Barreta, em Olhão, desde dia 11 de agosto que ganhou um novo morador.

O restaurante MauMau Maria chega para homenagear não só a cidade onde se insere, como também as suas gentes.

Os produtos são frescos, quase todos da Ria Formosa e unem-se a receitas com algumas décadas de vida, confecionados pelo chef Vítor Rodrigues, mais conhecido por avô Vítor, e pelo próprio filho, Miguel Rodrigues.

A gerir este novo espaço estão dois sócios, também eles com ligações familiares, Vítor Barnabé, 48 anos e o sobrinho, Jorge Barnabé, de 27 anos, «olhanenses de gema», dizem ao barlavento.

Vítor Barnabé e Jorge Barnabé.

Quem entra, facilmente percebe a génese do MauMau Maria, apenas pelas fardas que todos os colaboradores apresentam. «És sempre bem-vindo a Olhão», lê-se nas camisolas.

As paredes são decoradas com quadros de uma conterrânea, a Zea, que replica nas telas as cores, as portas e as janelas das casas mais típicas da cidade.

«Queremos que este espaço represente Olhão», assegura Vítor Barnabé, o empreendedor que há 16 anos largou o seu trabalho de técnico de farmácia para se dedicar a 100 por cento à restauração.

Já tem dois espaços, também olhanenses, e mesmo antes da pandemia que sonhava em poder abrir um projeto de «memórias gastronómicas», conta.

Faltava a localização perfeita e em fevereiro deste mesmo ano tudo se conjugou. Mas o que é o MauMau Maria das memórias gastronómicas?

O tio Barnabé responde. «É trazer para esta cozinha as receitas das nossas mães e avós. É voltar atrás no tempo e o partilhar ideias. Não queremos receitas de chefs credenciados, queremos familiares. Queremos tradição portuguesa, aquilo que é de casa, bom, típico e tradicional».

Na prática, qualquer pessoa pode partilhar uma receita, seja presencialmente, ou através das redes sociais do restaurante (@maumaumaria).

A equipa seleciona as melhores e incorpora-as no menu, num dia da semana específico. Quem quiser, pode ainda confecionar esse mesmo prato no MauMau Maria.

A ideia é que ao final de um ou dois anos exista um memorial de receitas tanto no espaço, como na página da Internet.

«Independentemente da sua profissão, todas as pessoas têm pratos ou especialidades que sabem fazer, mesmo que seja numa escala reduzida. Há sempre segredos e receitas saborosas que não andam cá fora. A ideia é a receita vir acompanhada com um texto do seu autor e uma fotografia. Todas as que nos forem chegando vão ser selecionadas, agendadas e confecionadas. Serão pratos que estarão introduzidos nas sugestões, além do menu», explicita o empreendedor.

Apesar de Vítor Barnabé ainda não ter decidido qual o dia da semana marcado para as memórias gastronómicas, a certeza é que será um momento acompanhado de música ao vivo, sempre portuguesa, «será um dia completamente diferente dos outros».

No menu encontram-se várias especialidades bem tradicionais: espetadas, com o ex-libris para a de polvo com figo seco algarvio, mariscadas, cataplanas e diversos peixes, consoante o que de melhor o Mercado de Olhão tiver no dia.

Juntam–se sobremesas, de quatro avós, e uma carta de vinhos bem composta.

No verão, a ementa será outra, «mais quente, mais condimentada, de tacho», nas palavras do gerente.

Por enquanto, o restaurante, com capacidade para quase 50 pessoas (em pandemia) está aberto apenas para jantares, a partir das 18h30, e fecha às terças-feiras.

Em breve, haverá também disponibilidade para almoços.

Quem quiser marcar uma refeição no mais recente restaurante de Olhão, basta contactar o MauMau Maria através das redes sociais ou por telemóvel (289 714 298), mas atenção que as reservas já estão a ser feitas com dias de antecedência.