Mais empresas e instituições apoiam a Refood Faro

  • Print Icon

Empresário algarvio Eliseu Correia é o mais recente a juntar-se à onda de solidariedade para com a Refood Faro.

Enquanto durar o atual estado de confinamento, todas as semanas, à sexta-feira, a empresa EC Travel irá providenciar 30 refeições à Refood Faro, com o intuito de apoiar quem mais precisa, aquirindo refeições aos restaurantes que também estão a atravessar uma fase difícil.

Ouvido pelo barlavento, Eliseu Correia, explica que «o objetivo é lançar um contágio positivo de solidariedade. Gostava que outros empresários seguissem este exemplo. Ajuda quem precisa e alavanca a economia».

Empresário olhanense Eliseu Correia volta a mostrar responsabilidade social.

Paula Matias, coordenadora do núcleo de Faro da Refood, agradece e apoia a mensagem.

«A iniciativa do Eliseu partiu dele e isso é bom frisar. Nós lançámos um apelo à comunidade nas redes sociais. Quem nos quiser ajudar, mas por uma questão de saúde ou mesmo devido à pandemia não pode fazer voluntariado presencial, pode colaborar de outras formas. Por exemplo, doando bens alimentares não perecíveis, ou cozinhando em casa e doando as refeições à Refood para as distribuir às famílias. Isto porquê? Devido à situação em que se encontra a restauração, tivemos uma quebra muito grande a nível de comida confecionada. Então, neste momento, temos já 20 pessoas da comunidade, o cidadão comum, que nos garante um dia para fazer essa entrega, para distribuir de segunda a sábado, que são os dias de entrega aos beneficiários», explica.

Paula Matias refere ainda o apoio do Ginásio Clube Naval de Faro que assegura à segunda-feira «40 a 50 doses de comida confecionada. Fornecem tudo e são os membros que cozinham uma vez por semana».

Mais recentemente, a Refood recebeu o contacto de Eliseu Correia «com uma iniciativa que achei muito importante e que espero que possa servir de incentivo para outras empresas que tenham condição de ajudar, porque a situação está muito má para vários sectores e nem todos o poderão fazer. Mas apelo a quem tiver possibilidade de ajudar nesta fase difícil, que sigam o exemplo do Eliseu. A EC, todas as sextas-feiras vai doar 30 refeições que serão adquiridas em restaurantes diferentes».

«Isto inicia esta semana, na primeira sexta-feira, dia 5 de fevereiro, serão refeições do restaurante Solar dos Presuntos e passado 15 dias serão de um estabelecimento diferente, para ajudar também a restauração. Acho que é um gesto que faz a diferença. São duas vertentes que vão ser apoiadas. E mais, mostra que uma comunidade unida pode fazer milagres. Não tenho a menor dúvida disso», detalha Paula Matias.

«Assim que falámos, ele pôs logo tudo em ação e perguntou qual o dia que queríamos e tentei compatibilizar com os recursos que temos», sublinha.

Por outro lado, a Escola de Hotelaria e Turismo do Algarve (EHTA) também doou, no final da semana passada, «300 refeições e doará ainda mais 250 doses na próxima quarta-feira. Uma vez que a EHTA está encerrada, mas tem material que precisa de ser gasto para não se desperdiçar resolveram fazê-lo. Esta é uma iniciativa que não é nova, pois têm tido sempre essa preocupação com as famílias da Refood. Nesta fase de pandemia podiam não ter, é um facto, mas fizeram questão de cozinhar para nos doar», frisa.

Doação da Escola de Hotelaria e Turismo do Algarve.

Outro exemplo digno de nota é caso do Let Forno Nero – Ristorante Pizzeria, «que está fechado, e ainda assim, todas quintas-feiras nos vai doar 50 doses» de comida.

Paula Matias acredita que «daqui para a frente, infelizmente, vão chegar muitos mais pedidos de ajuda. Acho que estamos no princípio do muito que vai vir. Além das famílias que apoiamos todos os dias, temos outras em isolamento profilático, que de um momento para o outro têm de ficar isoladas e que não têm condições nem como se sustentar durante esses dias. Um exemplo, imagine-se uma empregada de limpeza que ganha à hora e ao dia, ficar parada. Nós damos apoio ainda a estas situações».

Por fim, a coordenadora também deixa uma mensagem de esperança. «Sinto-me bastante orgulhosa da comunidade, muito mesmo, porque a ajuda tem-nos chegado quase há um ano. Faz em março um ano que tudo isto começou e a ajuda nunca parou de chegar. A iniciativa do Eliseu Correia, em particular, é de louvar e mostra que existe uma grande preocupação com as famílias mais carenciadas, mesmo estando as empresas a passarem por dificuldades. Acho que isso é muito importante».