José Gomes Mendes viu a futura «Casa Memória» da EN2

  • Print Icon

José Gomes Mendes, secretário de Estado do Planeamento pedalou 1000 quilómetros na Estrada Nacional (EN) 2, durante 10 dias, de forma a promover o turismo nacional. Prestes a inaugurar, a «Casa Memória», em São Brás de Alportel, foi local de passagem obrigatória para o governante.

Saiu de Bragança na sexta-feira, dia 24 de julho e chegou a Sagres no domingo, 2 de agosto. Foram cerca de 100 quilómetros diários, percorridos de bicicleta, ao longo de toda a Estrada Nacional 2 (EN2) com o objetivo de conhecer o interior do país e promover o turismo nacional.

José Gomes Mendes, secretário de Estado do Planeamento, teve uma receção junto ao marco do quilómetro 722, no Largo de São Sebastião, em São Brás de Alportel. Foi recebido pelo colega de governo José Apolinário, secretário de Estado das Pescas e coordenador da Proteção Civil no Algarve, assim como Vítor Guerreiro e Marlene Guerreiro, presidente e vice-presidente daquela Câmara Municipal, respetivamente.

José Gomes Mendes, secretário de Estado do Planeamento pedalou 1000 quilómetros, durante 10 dias, de forma a promover o turismo nacional. Prestes a inaugurar, a «Casa Memória», em São Brás de Alportel, foi local de passagem obrigatória para o governante.

O governante teve direito a uma visita à ainda por inaugurar Casa Memória, equipamento que está a ser desenvolvido no espaço da antiga Secção de Conservação da EN2, e que em breve, irá contar com um conjunto de artefactos associados à história da via que atravessa o interior de Portugal.

«Conhecemos todas as curvas e contracurvas do litoral, porque, por norma, estamos profissionalmente a isso obrigados. Mas de facto, o Portugal autêntico e único começa lá em cima no norte e vem até às melhores praias da Europa e do mundo, no magnífico Algarve. É um caminho que não costumamos fazer. Resolvi fazê-lo em bicicleta para sentir o tempo na paisagem e falar com as pessoas», começou por justificar o secretário de Estado aos jornalistas.

Para José Gomes Mendes, espreitar aquilo que será a futura Casa Memória da EN2 revelou-se inesperado.

«Chegar a este espaço, que em breve será um ícone para acolher os viajantes desta rota, e perceber que muita da economia e dinâmica do próprio Algarve também passou por aqui, foi a melhor surpresa que poderia ter. Por aqui viajavam produtos e pessoas para Lisboa e para o interior de todo o país. A geografia da economia hoje é muito diversa, mas para a compreender é preciso irmos atrás da sua evolução».

«Uma boa forma de o fazermos é recuperar este património e mostrá-lo aos portugueses. Mostrar a todos que por muito que gostemos, e gostamos, das praias do Algarve e das nossas grandes cidades, também temos de conhecer destinos e municípios como São Brás de Alportel. Basta chegar àquela praça magnífica [Largo de São Sebastião] para perceber que é de facto um sítio a visitar», elogiou.

Questionado sobre o que motiva cada vez mais turistas e curiosos a subir e descer a EN2 na sua plenitude, o governante responde que «em determinadas alturas é importante fazer a comparação com outros países para percebermos o valor de tudo o que temos cá dentro. Há quem a compare com a Route 66, nos Estados Unidos da América (EUA), muito árida e longa. Em Portugal temos algo com o mesmo tipo de valor e ainda mais autêntico. Ao mesmo tempo, podemos contribuir para a economia local, o que é muito importante» sobretudo para os municípios do interior.

«Há tanto por descobrir. Toda a minha vida andei pelo país, mas não deixei de me surpreender, uma série de vezes nesta viagem, com pequenos pormenores que fui encontrando e também com o desenvolvimento, a indústria, o comércio e a restauração. As coisas reinventam-se e ai de nós se não nos pudermos reinventar. Os portugueses estão de facto a descobrir a EN2. É um desafio que está lançado» e que no caso do Algarve, tem a recompensa acrescida de ir dar à praias.

Em relação ao trabalho realizado pelo município de São Brás de Alportel no âmbito desta rota, o secretário de Estado não poupou elogios.

«Se o produto é apetecível e único, acho que os municípios têm de aproveitar esse valor e essa oportunidade para continuarem a apostar. Esta vila é um exemplo. Quando se fala do produto EN2, não se fala da estrada em si, mas de um país que conhecemos menos. Promotores e clientes, todos temos a obrigação de passar as nossas férias por aqui».

Depois de Vítor Guerreiro ter carimbado o passaporte do viajante da EN2 de José Gomes Mendes, com a marca de passagem pelo seu município, o autarca deixou-lhe algumas palavras de impulso para o resto da viagem.

«Agradeço o exemplo e o empenho em conhecer e dar a conhecer este Portugal mais interior. Sem dúvida que todos os incentivos para que nos visitem e façam viagens cá dentro são fundamentais para colocarmos os olhos e mostrarmos as belezas que o interior tem. Estes municípios, onde se inclui São Brás de Alportel, precisam de ter mais visibilidade» para poderem mostrar as suas mais-valias.

Vítor Guerreiro, José Apolinário e José Gomes Mendes.

«Ao estar aqui, está a fazer isso mesmo e agradeço-lhe pela sua coragem», sublinhou. O presidente da autarquia sambrasense convidou ainda o governante a marcar presença na inauguração oficial daquele espaço, que apesar de ainda não ter data definida, está prevista para a segunda quinzena de agosto, segundo o barlavento apurou.