Hoje é dia aberto no Festival MED e há bons motivos para ir a Loulé

  • Print Icon

Ambiente, gastronomia, música e cinema são destaques no dia aberto do 18º Festival MED em Loulé. A entrada hoje é livre.

Ambiente, gastronomia, música e cinema são destaques do dia aberto no 18º Festival MED em Loulé. A entrada hoje é livre.

A organização do Festival MED’22 proporciona hoje, domingo, dia 3 de julho, um dia de entrada livre, oferecendo um programa cultural diversificado naquela que será a derradeira noite desta 18ª edição.

«Queremos que todos possam usufruir deste evento. E apesar de nesse dia já não termos os grandes cabeças-de-cartaz, quem aqui vier no domingo vai poder vivenciar um pouco do espírito do MED, através de algumas propostas musicais e de outros conteúdos interdisciplinares, explica o diretor do evento, Carlos Carmo.

O programa do «Open Day» arranca na Casa do Meio Dia, às 18h30, com a conferência «Sustentabilidade Ambiental nos Festivais de Música».

Numa iniciativa que tem como parceiro a APORFEST – Associação Portuguesa de Festivais de Música e com moderação do seu presidente, Ricardo Bramão, a preocupação para com o ambiente na organização dos festivais vai ser o mote desta tertúlia.

Contará com a presença da jornalista Catarina Canelas, da vice-reitora da Universidade do Algarve, Alexandra Teodósio, da cantora Viviane, Verónica Guerreiro (Loulé Design Lab) e ainda do diretor do Festival e vereador do Ambiente, Carlos Carmo.

De referir que, ao longo dos anos, o MED tem agregado diversas ações de promoção da sustentabilidade como é o caso do copo ecológico, a introdução de painéis solares na zona de restauração, a recolha seletiva de resíduos, a colocação de distribuidores de água da rede ao longo do festival ou a participação do Movimento Zero Desperdício.

Já dentro do recinto convencional do festival, o foco vai estar desde logo num Património Cultural Imaterial da Humanidade que tem estado sempre presente no MED desde que recebeu esta distinção, em 2013, a Dieta Mediterrânica.

A partir das 19h30, os Claustros do Convento Espírito Santo serão o cenário para workshops de culinária onde são valorizados os produtos locais e esta tradição e cultura alimentar.

A Tertúlia Algarvia é um dos parceiros da iniciativa e a sua chef Alexandra irá cozinhar cataplana de frango com amêndoas, alperces e especiarias e gaspacho de tomate e melancia.

O outro parceiro é a Associação In Loco, que através de Margarida Vargues, irá elaborar um empadão de lentilhas mediterrânico, enquanto que Rui Palma apresentará um gaspacho de melancia com morangos, queijo de cabra fresco e manjericão.

Sustentabilidade, respeito pelos ciclos agrários e promoção de hábitos alimentares saudáveis são, pois algumas dos benefícios desta tradição secular.

Às 21h00, o Ensemble de Flautas de Loulé e a Orquestra de Sopros e Percussão do Conservatório sobem ao Palco Matriz para um espetáculo que irá mostrar o talento musical que existe em Loulé e aquele que tem sido o trabalho realizado no Conservatório de Música Professor Francisco Rosado.

Uma proposta que traz sonoridades mais eruditas a um festival que marca também por essa diversidade musical.

Às 21h45, no Palco Castelo, o Festival MED apresenta um concerto especial com o artista africano Remna.

Em maio de 2019, o músico atuou na apresentação desse ano, no Capitólio, em Lisboa, e estava prevista a sua participação no Festival em 2020 mas devido à pandemia só este ano Loulé irá receber este concerto.

Verdadeiro nómada de paisagens sonoras, é hoje considerado um tesouro africano pelos seus pares. Nascido no Senegal, Remna Schwarz viveu em países como Congo, Mali, Senegal, Guiné, Cabo Verde França, Cuba ou Estados Unidos.

Apresentou-se no ano 2018 no «Festival South By Southwest», no Texas, a maior mostra de música do continente americano, recebendo ótimas críticas como a da Wobean Music, que apelidou a sua música de «Great Pan African Music».

O filme «Surdina», musicado por Tó Trips, encerra o ciclo de Cine-Concertos, bem como a celebração dos 18 anos de Festival MED.

Às 22h30, a película de Rodrigo Areias lançada em 2020 vai ter acompanhamento do virtuoso músico que regressa a Loulé, desta vez a solo, depois de duas presenças com os Dead Combo.

Motivos não irão faltar para quem quiser experienciar toda a vivência que o MED oferece já que neste dia o público terá ainda a oportunidade de degustar os sabores do mundo, apreciar o artesanato nas mais de uma centena de bancas presentes, visitar as exposições e instalação artística que fazem parte do programa e interagir com os artistas de rua.