Graça Fonseca visita esta tarde Aljezur e Vila do Bispo

  • Print Icon

A Ministra da Cultura, Graça Fonseca, e a Secretária de Estado Adjunta e do Património Cultural, Ângela Ferreira, deslocam-se hoje aos concelhos de Vila do Bispo e Aljezur.

As governantes vêm à cerimónia de colocação da primeira peça do Centro Expositivo, na Fortaleza de Sagres, e assinatura do Plano de Ação Plurianual para a implementação e gestão do centro interpretativo do Ribat da Arrifana, em Aljezur.

A cerimónia de colocação da primeira peça no Centro Expositivo, na Fortaleza de Sagres, terá lugar às 14h00, seguindo-se uma visita às obras em curso no monumento.

Com abertura prevista para o início de 2022, o Centro Expositivo será um polo museográfico que irá proporcionar aos diversos públicos uma reflexão sobre o valor singular deste território, desde a Antiguidade aos nossos dias, relacionando-o com as Viagens de Exploração Oceânica e com a figura do Infante D. Henrique.

A exposição, dedicada às «Viagens», permitirá uma experiência interativa com a relevância do Promontório de Sagres como a primeira experiência de globalização no mundo.

A empreitada, que ascende a cerca de 1,5 milhões de euros, está na fase da construção da cenografia.

No Salão Nobre da Câmara Municipal de Aljezur, pelas 15h30, será assinado o Plano de Ação Plurianual para a implementação e gestão do centro interpretativo do Ribat da Arrifana, na sequência do protocolo já assinado, em 2019, entre o Ministério da Cultura, o Município de Aljezur, a Universidade Nova de Lisboa e o Fundo Aga Khan para a Cultura, que estabeleceu os princípios para a implementação de uma parceria estratégica para efeitos da investigação, da preservação, do desenvolvimento e da divulgação do sítio arqueológico.

Seguir-se-á, então, uma visita ao Ribat da Arrifana. Localizado na Ponta da Atalaia, a norte da povoação da Arrifana, o denominado Ribat da Arrifana está classificado como Monumento Nacional e é considerado por muitos investigadores que se dedicam ao estudo da presença islâmica medieval no Ocidente como uma das mais importantes descobertas arqueológicas do século XXI.