Ferragudo une pesca e turismo na zona ribeirinha

  • Print Icon

Abrigos em madeira para 14 pescadores locais dão um aspeto renovado à zona ribeirinha de Ferragudo. O espaço está mais arrumado, limpo e já é possível usufruir de parte do passeio para caminhar. Antes, as artes de pesca estavam espalhadas no chão sem qualquer regra. Várias semanas de trabalho dos pescadores e da Junta de Freguesia de Ferragudo serviram para limpar a rua e retirar o emaranhado de redes e aparelhos do local, ficando aquela zona com condições para atrair os turistas que queiram ver os instrumentos, os barcos e até a limpeza das embarcações depois de um dia de faina.

«Foi uma candidatura dos pescadores, no âmbito do Promar, para a colocação de 14 proteções e, na altura», com o apoio também da Câmara Municipal de Lagoa, «a Junta procedeu ao transporte de todas as artes de pesca» e guardou-as até o projeto estar quase concluído, avançou Luís Alberto, presidente da Junta de Freguesia de Ferragudo ao «barlavento».

Ainda no âmbito da intervenção, esta autarquia tapou os buracos no passeio, e fará a limpeza dos candeeiros e das palmeiras. Será colocado mais um abrigo, já que no total são 15 as embarcações que beneficiam deste projeto. «Vamos colocar 15 pias de metal e fazer as pinturas de delimitação no chão. Colocaremos também placas do lado de fora dos abrigos para identificar o espaço de cada uma das embarcações», resumiu Luís Alberto.

Este projeto foi concretizado, porque os pescadores não podiam esperar mais pela construção da Marina de Ferragudo, cujo projeto data de 2009 e prevê a criação de um portinho de abrigo para estes profissionais do mar. No entanto, o Projeto de Interesse Nacional (PIN) está há anos parado, e aguarda para começar no terreno, justifica Luís Alberto.

Por fim, haverá ainda 12 amarrações na muralha para os barcos acostarem e os pescadores poderem manobrar as suas lides. As entidades responsáveis, como a Administração dos Portos de Sines e Algarve (APS), ficaram sensibilizadas e autorizaram este projeto, e já só falta a aprovação do regulamento de utilização do espaço. Na zona ribeirinha serão instalados ainda quatro postos de venda de bilhetes, se a APS concordar, para as operadoras marítimo-turísticas locais. Toda a zona ribeirinha passará a ser um centro nevrálgico de pesca e turismo naquela localidade, concluiu o presidente da Junta.