Faro reabilita Celeiro de São Francisco e Largo do Pé da Cruz

  • Print Icon

Município de Faro avança com a requalificação do Celeiro de São Francisco, edifício de rara configuração arquitetónica, também conhecido por Torre da Horta dos Cães.

Apesar de estar classificado como Imóvel de Interesse Público desde 1977 (estatuto de âmbito nacional), o Celeiro estava desde há vários anos votado ao abandono e em decadência, o que mereceu muitas críticas.

Segundo Rogério Bacalhau, presidente da Câmara Municipal de Faro, «será uma obra de recuperação do espaço que lá está em termos de humidade e paredes. Era um imóvel privado até há uns meses atrás. Notificamos a família para que o recuperasse, mas como não tem utilidade doaram-no ao município. Já fizemos a escritura. Os nossos serviços tinham feito projeto de recuperação e é isso que estamos a fazer neste momento».

Após a obra, «o nosso plano é fazer um equipamento cultural com atividades pontuais» que deverá ser dinamizado pelo tecido associativo da cidade.

Segundo o autarca farense, a intervenção custará cerca de 50 mil euros.

Por outro lado, está para se iniciar o projeto de requalificação do Largo do Pé da Cruz. O projeto foi anunciado após a requalificação do Largo de São Pedro, em abril de 2019.

«Entretanto, a Direção Regional de Cultura do Algarve exigiu-nos que fossem feitas sondagens e um acompanhamento arqueológico».

«Estamos a fazer essa contratação para avançar logo de seguida», o que deverá demorar cerca de um mês.

«A ideia é avançar para uma cota zero e fazer uma intervenção parecida com o que fizemos na Igreja de São Pedro. Em frente à Igreja do Pé da Cruz vai deixar de haver circulação automóvel, com um espaço amplo de lazer, com restaurantes e esplanadas», de acordo com o plano geral.

Outra obra importante é a construção de uma rotunda na zona das Pontes de Marchil. «É uma necessidade que sempre se colocou. A Infraestruturas de Portugal falou connosco no sentido de solucionar aquela passagem de nível. Aliás, essa questão foi levantada quando se fez o Parque Ribeirinho porque o tráfego aumento. Agora, com os projetos que estamos a fazer da requalificação da frente marítima será mesmo um imperativo. Chegámos a um acordo de colaboração que nós fazemos o projeto, temos uma equipa a elaborá-lo, e eles executam. A obra está estimada em 2,5 milhões de euros».

Em relação à parte norte de Faro, «já está aprovado o Plano de Pormenor da Lejana. Alguns promotores precisavam deste instrumento de ordenamento do território para poderem avançar com projetos imobiliários», estando prevista naquela zona duas novas unidades hoteleiras construídas de raiz e mais empreendimentos de habitação»