Farense teve alma mas não evitou derrota por 0-1 frente ao FC Porto

  • Print Icon

Estádio de São Luís recebeu novamente um dos grandes do futebol português nesta 15ª jornada da Liga NOS. Farense teve momentos de grande qualidade, lutou mas não evitou mais uma derrota.

Os dragões não quiseram facilitar e entraram de forma autoritária nesta noite de segunda-feira, 25 de janeiro, remetendo desde início o Farense à sua zona defensiva. Foi, portanto, sem surpresa que surgiu o golo forasteiro, aos 15 minutos. Manafá fez o que quis de Fábio Nunes e cruzou para uma finalização bem sucedida de Taremi.

O Farense tentou responder quase de imediato e logo aos 20 minutos a polémica também subiu ao relvado. Jesús Corona, com o braço, desviou um cruzamento algarvio para fora, mas tanto Manuel Mota como o VAR entenderam que o lance não era passível de castigo máximo.

O FC Porto criava muitas dificuldades ao Farense em cada ataque, e podia ter ampliado a vantagem à passagem do minuto 26. Defendi disse presente, agigantou-se e travou a tentativa de Corona. Pouco depois, aos 33 minutos, foi Otávio a obrigar o guardião brasileiro a nova defesa apertada, segurando o 0-1 até ao intervalo.

Farense FC Porto
Foto: Nelson Ferreira

No início da segunda metade, novamente os azuis e brancos a pressionar, com várias incursões ofensivas. Destaque para o remate de Uribe, por cima, aos 51 minutos, e para uma perdida de Taremi, em boa posição, logo de seguida. Depois, ao minuto 57, soltou-se o génio de Corona, que desfez a defensiva farense e só não marcou porque Cássio, in extremis, intercetou o remate do mexicano.

A pressão portista era intensa e Defendi, aos 60 minutos, respondeu com uma defesa monumental ao remate de Otávio, que surgiu isolado na área algarvia.

Sérgio Vieira tentou inverter o sentido dos acontecimentos lançando em campo Mansilla e Pedro Henrique, nos lugares de Madi Queta e de Stojiljković.

Mas era mesmo o keeper do Farense que ia mantendo vivas as esperanças algarvias, somando várias intervenções decisivas. Aos 66 minutos teve mais uma, quando se opôs ao remate cruzado de Marega. Na recarga, com a baliza escancarada, Otávio atirou ao lado.

O tempo começava a esgotar-se e o treinador algarvio lançou mais dois atletas no relvado. Lucca, que não jogava desde outubro, quando falhou uma grande penalidade caricata frente à B SAD, e Hugo Seco, entraram para os lugares de Licá e Alex Pinto.

Com tanto desperdício, o Farense começou a acreditar que o empate ainda era possível e teve uma oportunidade de ouro para almejar esse objetivo aos 81 minutos. A bola esbarrou duas vezes nos ferros da baliza do FC Porto, primeiro com um corte defeituoso de Mbemba, e depois com uma emenda de Hugo Seco que não entrou.

Logo de seguida, na sequência do pontapé de canto subsequente, Cláudio Falcão quase igualou a contenda com um bom remate que acabou na malha lateral da baliza de Marchesín.

Apesar da luta algarvia nos últimos minutos, a derrota pela margem mínima acabou mesmo por se confirmar.

Com este resultado, os Leões de Faro somam 12 pontos e quedam-se pelo 17º lugar do campeonato. Na próxima jornada, o Farense desloca-se ao reduto do Tondela, no sábado, dia 30 de janeiro, às 18h00.