Farense sem argumentos começa campeonato a perder frente ao Leixões

  • Print Icon

Farense esteve aquém do exigido a um candidato à subida, sucumbindo na visita a um Leixões que nem mostrou um grande futebol, mas mostrou quando baste para vencer os algarvios por 3-1.

Com o objetivo de voltar rapidamente à Primeira Liga, depois da descida de divisão, Jorge Costa apostou nesta tarde de terça-feira, dia 10 de agosto, num 11 com três reforços: Gut, Vasco Lopes e Elves Baldé.

O começo da partida foi um autêntico pesadelo para a turma algarvia. Logo aos cinco minutos, João Amorim cruzou a partir do flanco direito do ataque leixonense e Morim, no centro da área, rematou de primeira para o fundo das redes e abriu o ativo.

No entanto, o Farense respondeu da melhor forma ao minuto 15. Num lance aparentemente controlado por João Amorim, Elves Baldé ligou o turbo, superou o lateral dos nortenhos em velocidade, ainda tirou um adversário do caminho dentro da área e atirou para igualdade.

A verdade é que a reação algarvia foi sol de pouca dura. À passagem do minuto 27, Sapara que até já passou por Farense e Olhanense, estava perto do seu meio campo e resolveu oferecer um chapéu a Defendi que, adiantado, nada conseguiu fazer para evitar nova vantagem leixonense.

Os leões de Faro, mesmo com mais bola no pé, nunca conseguiram impor o seu jogo ao longo da primeira metade e só não foram para o intervalo com mais um golo na fatura porque Wendel, depois de sucessivos falhanços dos defesas algarvios, permitiu a intervenção de Eduardo Mancha, que impediu o sucesso do remate adversário.

Jorge Costa não estava satisfeito com o desempenho dos seus jogadores e, na volta para a etapa complementar, apostou em duas alterações: Abner e Vasco Lopes ficaram no balneário e foram a jogo Henrique e Paollo Madeira. Ainda assim, foi o Leixões a criar o primeiro lance de perigo. Wendel isolou-se, passou por Defendi e, quando tudo fazia prever mais um golo dos homens de Matosinhos, o avançado tropeçou na bola e desperdiçou soberana ocasião (50′).

A tímida resposta do Farense apareceu três minutos depois, quando Lucca assistiu de cabeça Pedro Henrique e o dianteiro brasileiro rematou, já em grande esforço, por cima. Os algarvios voltaram a ameaçar ao minuto 63. Paollo Madeira trabalhou muito bem na direita do ataque e assistiu Gut que acabou por desviar por cima do alvo. Apesar de algum assédio a tarefa não se ia mostrando fácil e Jorge Costa, para refrescar as hostes algarvias, lançou Mica Silva e Mayambela, para os lugares de Fabrício Isidoro e Elves Baldé.

Aos 83 minutos a turma da capital algarvia voltou a dispor de boa chance para o empate, após um pontapé de canto, mas o cabeceamento de Gut teve oposição à altura de Beunardeau, guardião dos anfitriões.

E quando o Farense, em período de descontos e já com pouca cabeça (e até com pouco coração) procurava brechas para chegar ao empate, o Leixões sentenciou a partida. Encada arrancou, assistiu Diogo Leitão e surgiu o 3-1, com tudo a parecer muito, muito fácil para os homens da casa. Já ao cair do pano, no último lance da partida, Encada só não fez o quarto porque Defendi evitou in extremis.

O resultado (3-1) não oferece grande contestação, face ao que se passou no relvado, e servirá para os algarvios tirarem ilações para as partidas seguintes. E a próxima jornada do campeonato promete novamente muitas dificuldades: o Farense recebe o Rio Ave, domingo, dia 15 de agosto, às 11h00.