Diocese do Algarve vai dinamizar o turismo religioso no Sotavento

  • Print Icon

Acordo de Cooperação para a dinamização do turismo religioso no Algarve foi assinado ontem em Vila Real de Santo António.

O Acordo de Cooperação foi assinado entre a Diocese do Algarve, a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional (CCDR) do Algarve, o Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP), a Região de Turismo do Algarve (RTA), a Direção Regional de Cultura do Algarve (DRCA) e a Comunidade Intermunicipal do Algarve (AMAL) com o objetivo de implementar um projeto-piloto de dinamização do turismo religioso no Algarve, através da divulgação e promoção do património arquitetónico e cultural existente nas igrejas da região, sobretudo em paróquias do interior algarvio.

No âmbito do referido projeto-piloto, o IEFP, em articulação com as Fábricas das Igrejas do Sotavento algarvio, irá promover ações de (re)qualificação profissional de pessoas em situação de desemprego, preferencialmente de grupos com maiores dificuldades de integração profissional, proporcionando-lhes um percurso de formação certificada em conservação e animação de património religioso, bem como uma oportunidade de integrarem um programa de apoio ao emprego e/ou um emprego, garantindo as Fábricas das Igrejas, sob a direção da Pastoral do Turismo, condições para a sua integração laboral e, assim, assegurar o funcionamento das igrejas abrangidas pelo projeto-piloto.

No âmbito do referido Acordo de Cooperação, e atendendo aos seus efeitos de atração e diversificação da oferta turística, a RTA e a DRCA promoverão a integração e promoção do referido património religioso nos roteiros de promoção turística do Algarve.

Por sua vez, a AMAL, após avaliação do projeto-piloto, promoverá a disseminação do mesmo pela região, assegurando a CCDRA, por via do Programa Operacional Regional, o financiamento das atividades previstas.

A cerimónia de assinatura do Acordo de Cooperação foi presidida por D. Manuel Neto Quintas, Bispo do Algarve, e pelo presidente da Câmara Municipal de Vila Real de Santo António, Álvaro Araújo.

Contou ainda com a participação online da ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho, e da secretária de Estado do Turismo, Rita Marques.

Na sua intervenção, José Apolinário, presidente da CCDR Algarve, relembrou os investimentos que o Programa Operacional CRESC ALGARVE 2020 tem vindo a apoiar para a preservação da memória passada, nas suas dimensões arquitetónica, social e espiritual, e marca identitária que importa promover, felicitando a Igreja Católica pelos esforços para a sua valorização e iniciativa de os abrir ao uso e benefício de todos, residentes e turistas.

Até final de setembro os proveitos nos estabelecimentos de alojamento turístico no Algarve foram de 60 por cento de igual período de 2019. De registar também que, nos primeiros nove meses de 2021, Vila Real de Santo António foi o nono município do País em dormidas em alojamento turístico.

Para José Apolinário, «o turismo terá recuperação gradual, não tão rápida como se desejava, dependendo do controlo da pandemia, desde logo se os diversos países conseguirem aumentar o ritmo de vacinação à escala global. O que aí vem estará mais disponível para valorizar a sustentabilidade, o turismo cultural, a visitação de monumentos e igrejas».

O presente projeto-piloto tem um desafio: respeitar os locais de culto, abrir as igrejas, o património religioso, a riqueza histórica e humana de cada uma das igrejas aos visitantes. Uma ideia que se pretende estender posteriormente a toda a região.