COVID-19: Quase metade da população já tem a vacinação completa

  • Print Icon

Mais de 4,8 milhões de pessoas já têm a vacinação completa contra a COVID-19, anunciou ontem a Direção-Geral da Saúde (DGS).

Segundo o relatório semanal da DGS, 47 por cento dos portugueses já completaram a vacinação e cerca de 64 por cento – mais de 6,5 milhões de pessoas – já receberam, pelo menos, uma dose da vacina contra o vírus SARS-CoV-2.

Por grupos etários, 99 por cento dos idosos com mais de 80 anos (676.157) já foram vacinados com a primeira dose e 95« por cento (649.070) já concluíram o seu processo vacinal, percentagens que são muito próximas no grupo entre os 65 e os 79 anos.

Em relação ao grupo entre os 50 e 64 anos, 92 por cento (1.991.296) tomaram pelo menos a primeira dose da vacina e 77 por cento (1.674.816) terminam a vacinação, enquanto na faixa entre os 25 e os 49 anos são 66 por cento (2.205.185) os que já iniciaram a vacinação e 30 por cento (996.581) os que já a concluíram.

No que respeita à cobertura vacinal das regiões, o Alentejo lidera na percentagem de pessoas com vacinação completa (54 por cento), seguindo-se o Centro (51 por cento), os Açores (49por cento), o Norte, Lisboa e Vale do Tejo e o Algarve, as três com 46 por cento, e a Madeira (45 por cento).

Relativamente ao número de doses, Lisboa e Vale do Tejo é a região com mais doses administradas, mais de 3,8 milhões, estando o Norte muito perto, com cerca de 3,7 milhões, refere ainda o relatório da DGS.

No Centro já foram administradas mais de 1,8 milhões de vacinas, no Alentejo cerca de 535 mil, no Algarve mais de 450 mil, nos Açores mais de 252 mil e na Madeira quase 268 mil.

Desde que arrancou o plano de vacinação, a 27 de dezembro de 2020, Portugal já recebeu 12,3 milhões de vacinas, tendo sido distribuídas pelos centros de vacinação do território continental e pelas regiões autónomas mais de 11,3 milhões de doses.

Na terça-feira, o coordenador da task force que coordena a logística da vacinação, vice-almirante Gouveia e Melo, perspetivou que, no final de setembro, «praticamente toda a população» elegível para este processo estará vacinada.