COVID-19: Cerca de 900 pessoas vacinadas esta semana no Algarve

  • Print Icon

Cerca de 900 pessoas deverão ser vacinadas esta semana contra a COVID-19 no Algarve ao abrigo da nova etapa de vacinação que hoje arrancou em Portimão e Olhão, disse o presidente da Administração Regional de Saúde (ARS) do Algarve.

Numa visita ao Centro de Saúde de Olhão para acompanhar o arranque da vacinação na região a pessoas a partir dos 80 anos ou entre os 50 e os 79 com comorbilidades, Paulo Morgado afirmou aos jornalistas que, dos 900 utentes abrangidos pelo processo esta semana naquelas duas unidades, 120 vão ser vacinados durante o dia de hoje.

«São 900 pessoas, primeiro, porque estamos a testar o sistema e, depois, porque há poucas vacinas ainda», afirmou o presidente da ARS Algarve, adiantando que hoje deverão chegar à região mais vacinas da Pfizer destinadas aos lares de idosos, já para administração das segundas doses.

A região integra um projeto-piloto ao abrigo do qual está a ser testado o sistema de agendamento e marcação da vacinação por SMS, embora as pessoas hoje vacinadas tenham sido ainda todas contactadas por chamada telefónica.

«Ligámos para os familiares durante o fim de semana, mas correu bem, já fazíamos isto para a gripe», referiu, sublinhando que estão a ser atualizados os contactos dos utentes e que a marcação por SMS que vai ser testada ao longo da semana será dirigida, sobretudo, aos utentes entre os 50 e os 79 anos.

Segundo o responsável, ainda esta semana poderá iniciar-se a vacinação dos bombeiros do Algarve, com um novo lote de vacinas de outra farmacêutica que, a chegar à região na quarta-feira, permitirá iniciar a vacinação destes profissionais na quinta-feira.

Paulo Morgado acrescentou que nesta nova etapa da fase 1 do plano nacional de vacinação – que vai depois estender-se a toda a região – estão identificadas 25 mil pessoas, 18 mil das quais entre os 50 e os 79 anos com comorbilidades.

No entanto, notou, este é um número em constante atualização, que vai sendo alterado com a inclusão das pessoas que perfaçam 80 ou 50 anos e a exclusão de outras, nomeadamente aquelas que sejam infetadas pelo novo coronavírus.

Prestes a fazer 92 anos, Joaquim Horta Correia, um dos idosos vacinados hoje em Olhão, acompanhado pela filha, elogiou a celeridade do processo, mostrando-se «muito contente» em ser vacinado contra a COVID-19.

«Isto foi muito rápido e foi tudo muito regular, muito normal. Até fiquei impressionado com isto porque vejo na televisão o contrário», afirmou aos jornalistas, quando se preparava para abandonar o centro de saúde.

A filha, Filomena, considerou «muito importante» que o pai e outras pessoas da sua idade – logo, com mais vulnerabilidade – sejam já vacinadas, mostrando-se igualmente surpreendida com a rapidez com que o pai foi chamado.

A vacinação contra a COVID-19 dos idosos com 80 ou mais anos e de pessoas entre os 50 e os 79 anos e com comorbilidades arrancou na passada semana nos centros de saúde, abrangendo mais de 900 mil portugueses.

Esta é uma nova etapa da fase 1 do plano nacional de vacinação contra o novo coronavírus, que se iniciou em 27 de dezembro e que foi recentemente atualizado, passando a incluir a vacinação simultânea destas pessoas.

Na sequência da atualização do plano nacional, foram integrados para vacinação todos os idosos com 80 ou mais anos, independentemente de terem qualquer comorbilidade ou doença.

Além desses, serão vacinadas as cerca de 400 mil pessoas com 50 ou mais anos e que tenham pelo menos uma das seguintes patologias: insuficiência cardíaca, doença coronária, insuficiência renal ou doença respiratória crónica sob suporte ventilatório e/ou oxigenoterapia de longa duração.

A fase 1 abrange também os profissionais de saúde diretamente envolvidos na prestação de cuidados a doentes, funcionários e utentes de lares de idosos e da rede nacional de cuidados continuados integrados, assim como elementos das forças armadas, das forças de segurança, de serviços críticos, e titulares de órgãos de soberania e altas entidades públicas.

O objetivo é vacinar 80 por cento das pessoas com mais de 80 anos até março.