Conserveira do Sul comprada por investidores portugueses

  • Print Icon

A Conserveira do Sul, icónica fábrica de conservas de Olhão passa a ser controlada a 100 por cento por grupo nacional liderado pela Grow Capital Partners. Investidores querem aumentar as exportações.

A Conserveira do Sul, empresa histórica de Olhão, fundada em 1950, acaba de ser comprada por um grupo de investidores portugueses liderado pela Grow Capital.

A transação produz efeitos imediatos e implica a entrada de uma nova equipa de gestão que será liderada por Domingos Lopes, gestor com larga experiência nos mercados nacionais em FMCG (Fast Moving Consumer Goods) e, nos últimos dois anos, muito focado nos mercados globais.

A aquisição complementa o portfolio empresarial dos novos acionistas.

A Conserveira do Sul é uma empresa que tem cerca de 100 colaboradores e uma forte capacidade de produção instalada e marcas comerciais com reputação no mercado interno.

Os novos acionistas têm como objetivo dar continuidade à gestão conduzida pelos antigos proprietários ao longo já de quatro gerações — começara, recentemente, a transição para a quarta.

Além do esforço de crescimento no mercado interno, que se manterá, o aumento gradual das exportações é visto como «estratégico e fundamental» para o saudável desenvolvimento da empresa ao longo dos próximos anos.

A experiência do novo CEO reflete este objetivo.

O volume de exportações da Conserveira do Sul tem capacidade para crescer de forma sustentada até atingir os valores possíveis neste sector.

A nova gestão será acompanhada pela família fundadora ao longo dos próximos meses para conseguir uma transição natural.

«É fundamental manter o atual rumo estável da companhia para continuarmos a servir bem os nossos milhares de consumidores e, claro, para asseguramos aos nossos colaboradores e equipa um contexto laboral de qualidade. A atual cultura da empresa já vai nesse sentido», diz Domingos Lopes, acrescentando que a ligação da Conserveira do Sul a Olhão e à comunidade onde é ator relevante vai manter-se.

«Uma empresa relevante, competitiva e com futuro é uma base importante para qualquer comunidade crescer saudavelmente, ainda mais em tempos tão incertos como os que hoje vivemos. Para a Conserveira do Sul estar inserida num meio onde existe este capital humano tão valioso, com anos e anos de experiência num sector tradicional português e, ainda por cima, com a vantagem de estas pessoas e esta empresa terem fatores diferenciadores evidentes nomeadamente as suas marcas e produtos únicos», diz Domingos Lopes.

Miguel Magalhães, representante dos novos acionistas na empresa, sublinha a forma como o processo decorreu até agora.

«Fizemos tudo com tempo, sem pressa e com a maior discrição para garantir que a vida dos colaboradores da empresa e as suas famílias, além da produção e comercialização dos produtos, eram defendidos e tudo se mantinha sem oscilações e especulações. E assim continuará a ser. Mudam os donos, é verdade, mas mantém-se o compromisso com as equipas, com Olhão e o Algarve. Vamos levar a Conserveira mais longe nos mercados globais. Como disse o nosso CEO, olhos no mercado nacional, sim, mas com grande aposta na internacionalização».

Segundo o porta-voz da família Ferreira, os fundadores da Conserveira do Sul, o momento é vivido com nostalgia, mas também a certeza de dever cumprido.

«Isto é como um filho que se vai casar, sendo que nós é que escolhemos a noiva. Demos tudo a esta empresa, que cresceu com valor, qualidade e criou postos de trabalho. Esta operação garante continuidade ao desenvolvimento da empresa e também a todos os que dela fazem parte. Como numa corrida de estafeta, entregamos, agora, esta magnifica empresa, uma PME moderna e competitiva, a este grupo de investidores em que, de certa forma, nos reconhecemos».