Autarca de VRSA Conceição Cabrita detida por suspeita de corrupção

  • Print Icon

A presidente da Câmara de Vila Real de Santo António (VRSA), Conceição Cabrita, foi esta terça-feira detida pela Polícia Judiciária (PJ) por suspeitas do crime de corrupção num negócio de imobiliário em Monte Gordo.

Ao que o barlavento conseguiu apurar até ao momento, a detenção da autarca tem a ver com a venda de um imóvel a uma empresa, por valores abaixo do mercado, tendo o município sido lesado.

Há ainda suspeitas de contrapartidas para a autarca e para um funcionário da câmara, igualmente detido.

Foram feitas quatro detenções, entre elas dois funcionários por suspeita de corrupção ativa, por subornos a Conceição Cabrita.

Em consequência do caso, a Câmara Municipal de Vila Real de Santo António e sedes de empresas foram alvos de buscas por parte da Polícia Judiciária.

As autoridades realizaram ainda buscas domiciliárias, incluindo na casa de Conceição Cabrita.

A autarca chegou àquela câmara algarvia em 2005, tendo sido eleita para vereadora.

Mais tarde, em 2017, venceu as eleições autárquicas com maioria absoluta, tendo sido apoiada pelo PSD.

Entre 2013 e 2017 assumiu funções como vice-presidente do município.

«Operação triângulo»

A Polícia Judiciária, através da Diretoria do Sul, no âmbito de um inquérito dirigido pelo DIAP Regional de Évora, realizou esta terça-feira cerca de duas dezenas de buscas, designadamente domiciliárias, em estabelecimentos e escritórios de advogados.

Estas diligências tiveram lugar na região do Algarve, Lisboa, Leiria e Ourém.

No decurso desta operação, denominada «Operação Triângulo», foram detidas quatro pessoas, uma delas titular de cargo politico.

Entre os detidos, todos com idades entre os 50 e aos 70 anos, estão ainda um trabalhador da Administração Pública e dois empresários.

Em investigação estão suspeitas de atuação ilícita de titular de cargo político, que beneficiou da colaboração de funcionários, bem como outros intervenientes, na intermediação de um negócio, de compra de imóvel, propriedade do município, na praia de Monte Gordo.

A operação contou com a colaboração da Unidade Nacional de Combate à Corrupção, da Diretoria do Centro e Departamento de Investigação Criminal de Leiria da Policia Judiciária, nomeadamente, na realização de buscas a residências dos suspeitos, escritórios de advogados e instituição bancária, onde foram apreendidos vários documentos, objetos, e, matéria probatória, que irá ser analisada.

Em causa estão factos suscetíveis de integrarem a prática dos crimes de corrupção, recebimento indevido de vantagem e abuso de poder.

Os arguidos detidos serão presentes no Tribunal de Instrução Criminal de Évora para primeiro interrogatório judicial e aplicação das medidas de coação.