Algarvia Sónia Brito premiada por produção de diospiros em Lagoa

  • Print Icon

Algarvia Sónia Brito é a grande vencedora da 1ª edição do programa Talenta com o projeto SR Berry. Prémio é uma iniciativa da Corteva e da Confederação dos Agricultores de Portugal para dar visibilidade às mulheres agricultoras e combater as desigualdades.

Para assinalar o Dia Internacional da Mulher e a sua importância para o futuro rural, a Corteva Agriscience e a Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP) anunciam as três vencedoras da primeira edição do Programa TalentA, uma iniciativa pioneira que tem como objetivo capacitar com formação e financiamento as empreendedoras rurais.

O programa, lançado pela Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP) e pela Corteva Agriscience, empresa de referência no sector agrícola em tecnologia de sementes sob a marca comercial Pioneer, proteção de culturas e agricultura digital, contou com mais de 90 inscrições, das quais foram eleitos três projetos, que resultaram numa vencedora e duas finalistas.

O júri, composto por representantes especializados de ambas as entidades, avaliou diferentes critérios que vão desde a inovação, o combate à desertificação, o impacto e a sustentabilidade dos projetos inscritos, o empoderamento económico até à possibilidade de réplica de negócio.

A CAP e a Corteva entregaram o primeiro prémio à algarvia Sónia Brito pela iniciativa SR Berry, um projeto que nasceu em Lagoa e que tem como objetivo alargar a capacidade de produção de diospiros.

Sónia Brito é Licenciada em Engenharia Civil e investiu na agricultura aproveitando terrenos de herança e as excecionais condições climáticas da região do Algarve para desenvolver a produção de pequenos frutos vermelhos destinados à exportação.

Neste momento produz amoras, framboesas e dióspiros.

O objetivo é aumentar a capacidade de produção de dióspiros para responder à procura de mercado. A tecnologia utilizada pela SR Berry na exploração é a hidroponia, cultura sem solo.

O substrato orgânico é composto por várias substâncias 100 por cento naturais.

A fruta produzida na SR Berry é certificada pela Global GAP e GRASP.

Clara Serrano, Líder Corteva Agriscience do Sul da Europa, destacou a importância de apoiar e formar as mulheres rurais para o desenvolvimento do mundo rural.

«As mulheres continuam a encontrar barreiras no sector agrícola. Na Corteva, sabemos que o contributo das mulheres é fundamental para garantir a sobrevivência da cadeia agrícola e pecuária e acreditamos que a formação e o apoio financeiro são a chave de sucesso para a implementação de qualquer projeto. Estamos bastante satisfeitos com os resultados da 1ª edição deste programa em Portugal, cujo número de candidaturas superou as nossas expectativas, e até mesmo o número de candidaturas em Espanha. A nossa missão é continuar a apoiar as mulheres rurais neste processo para que tenham o impulso necessário para que os seus projetos se consolidem».

Por sua vez, Luís Mira, Secretário-Geral da CAP destacou que «o programa TalentA veio dar a conhecer o imenso esforço das mulheres no investimento e na melhoria tecnológica no sector agrícola. As vencedoras representam uma nova vaga de mulheres agricultoras com formação superior e que desenvolvem projetos inovadores, com grande incorporação de tecnologia e conhecimento. É este o caminho para a rentabilidade económica, a sustentabilidade ambiental e todos os desafios que a Europa enfrenta no pacto ecológico europeu».

As três vencedoras do prémio vão ter acesso a um programa de formação (e-commerce, redes sociais, plano de negócios, técnicas comerciais, etc.) promovido pela CAP para dotar os projetos de mais ferramentas de trabalho e métricas de sucesso e a vencedora do primeiro prémio irá receber ainda um apoio financeiro de 5 mil euros para a implementação do seu projeto.

Em 2020 o programa TalentA foi reconhecido como um exemplo de boas práticas pelo Parlamento Europeu e pelo comitê de mulheres da COPA-COGECA.