COVID-19: surto na equipa de futebol de Sub23 do Portimonense

  • Print Icon

Ainda relacionado com o desporto, Ana Cristina Guerreiro informou hoje que existe um surto na equipa de futebol de sub23 do Portimonense, com um total, até à data de 15 jogadores infetados.

Na conferência de imprensa regional para ponto da situação da pandemia da COVID-19, na manhã de hoje, sexta-feira, dia 30 de outubro, Ana Cristina Guerreiro informou que existe um surto na equipa de futebol de sub23 do Portimonense, com um total, até à data de 15 jogadores infetados.

«Foi uma situação complexa porque os jovens foram jogar à Madeira. Antes da viagem, realizaram testes e dois ficaram logo em terra. Pensámos logo na possibilidade de existirem mais casos na equipa. No regresso, já no continente, fizeram testagem a todos e foram encontrados os outros casos. Foi uma situação complexa porque tivemos de fazer contactos em dois voos. Os jovens e a equipa estão em isolamento e encontram-se em vigilância», explicou.

Mas se dois jogadores testaram positivo, porque é que a equipa não foi logo colocada em isolamento, à semelhança das turmas quando um aluno está infetado? Perguntaram os jornalistas.

«O futebol tem outras regras», respondeu a delegada de saúde regional.

Outra das preocupações de momento, assinalada por Guerreiro, são as comunidade de migrantes que trabalham na agricultura em diversas localidades algarvias.

«Temos casos em Albufeira, Faro, Olhão, Tavira e Vila Real de Santo António. A situação é preocupante porque são grupos grandes que vivem em condições de grande acumulação no mesmo apartamento e fica muito difícil não haver transmissão».

Em Faro, apesar de não ter revelado mais pormenores, a responsável da saúde explicitou que existe também um pequeno surto numa clínica de hemodiálise, onde já há quatro casos identificados.

«Fizemos testagem a todos os utentes e não só e estamos em cima do acontecimento», disse.

Já em relação aos lares, as atenções vão para o Lar Sol e Mar, em Tavira, Lar de Balurcos, em Alcoutim e o Lar da Santa Casa da Misericórdia em São Brás de Alportel.

Por fim, em relação as atividades letivas, a delegada regional de saúde definiu os concelhos de Lagos, Portimão, Loulé, Faro e Vila Real de Santo António com o maior número de casos positivos em escolas.

«As turmas que ficam em casa têm tido resposta do Ministério da Educação com ensino à distância. Ao longo deste início de ano letivo já colocámos 59 turmas em quarentena, 26 das quais já voltaram à sua situação normal», concluiu.