Silêncio, que se vai cantar o «Fado à Janela» em Portimão

  • Print Icon

O «Fado à Janela» junta quatro fadistas e dois músicos para recordar as vivências das décadas de 1960 e 1970 em Portimão.

Depois do sucesso das duas primeiras edições, a iniciativa «Fado à Janela», promovida pelo Boa Esperança Atlético Clube Portimonense, regressa ao centro histórico de Portimão na noite de 17 de setembro, a partir das 21h00.

Os fadistas Adriana Marques, Melissa Simplício, Daniel Pinto Coelho e Luís Manhita, acompanhados à guitarra portuguesa por Rafael Pacheco e à viola por José Santana vão poder ouvir-se nas janelas da fachada do clube.

Segundo a organização, «este evento único inspira-se nas vivências de Portimão ao longo das décadas de 1960 e 1970 e possibilitará de novo que a plateia aprecie, a partir do largo da Igreja Matriz, os dotes musicais da dupla de instrumentistas e dos quatro fadistas convidados, que cantarão com sentimento e alma temas familiares ao grande público», que deverá solicitar previamente os respetivos convites na Junta de Freguesia de Portimão.

O espetáculo, que contará com projeções de luzes e cores nas fachadas do Boa Esperança e da Igreja Matriz, «remete para a época em que as conserveiras esperavam à janela pelo toque das fábricas, anunciando a chegada das traineiras da faina carregadas de peixe fresco, o que lhes garantia trabalho e sustento para as famílias», explicam os responsáveis.

Durante a espera, e numa partilha de vizinhança, «as mulheres cantarolavam os fados mais conhecidos, nalguns casos ao despique e em desgarradas bastante competitivas, o que originava animados momentos de expressão popular», que o Boa Esperança pretende evocar com o «Fado à Janela», uma iniciativa apoiada pela Câmara Municipal de Portimão e a Junta de Freguesia de Portimão.