• Print Icon

Promontório de Sagres celebra atribuição da Marca Património Europeu com um novo projeto de Educação pela Arte.

A Direção Regional de Cultura do Algarve (DRCAlg) assinala o sétimo aniversário da atribuição da Marca do Património Europeu ao Promontório de Sagres, no sábado, dia 2 de dezembro, com o projeto «A Arte Mexe Comigo» e o concerto «Coletivo Garbe».

No domingo, a apresentação de «As Carpideiras», na Igreja de Nossa Senhora da Graça, encerra a edição 2022 do DiVaM – – Dinamização de Valorização dos Monumentos.

«A Arte Mexe Comigo» consiste numa oficina de mediação, através de uma visita dançada, em torno da exposição «Territórios Invisíveis», de Manuel Baptista, patente ao público no primeiro andar do Centro Expositivo da Fortaleza de Sagres.

Esta primeira oficina, que está integrada num projeto de Educação pela Arte direcionado para a comunidade escolar de Vila do Bispo, acontece durante a manhã de dia 2 de dezembro. O projeto é dinamizado por Ana Borges, através da Corpo de Hoje – Associação Cultural.

No mesmo dia, às 16 horas, será apresentado no auditório da Fortaleza de Sagres o concerto «Coletivo Garbe – Da tradição Al-Andaluz à música de tradição oral», uma homenagem à mescla de culturas que se fazem sentir no território algarvio.

Serão apresentadas canções do repertório sefardita, cristão e mourisco, e ainda canções da cultura tradicional.

O Coletivo Garbe é um projeto promovido por O Corvo e a Raposa – Associação Cultural, constituído por Eduardo Ramos (alaúde árabe, berimbau e voz), Joana Godinho (mezzo-soprano e saltério de arco), Daniela Tomaz (flautas e adufe), Daniela Pinhel (oboé e cavaquinho) e Vasco Ramalho (marimba e percussão).

A apresentação do projeto «As Carpideiras», será no domingo, dia 4 de dezembro, às 15h00, na Igreja de Nossa Senhora da Graça, no interior da Fortaleza de Sagres, encerra a programação deste ano do DiVaM.

Esta apresentação de teatro e dança tem como matriz a figura das carpideiras, mulheres presentes em diferentes épocas e geografias. O carpir vai ser dedicado a São Vicente, lastimando o corpo santo retalhado, desmembrado e depois distribuído em vários lugares. Três mulheres – Marta Gorgulho (teatro), Neusa Dias (teatro) e Sara Martins (dança) – partem do pressuposto imaginado de que carpir um morto implica uma respiração ou um som, um corpo ou um movimento, uma emoção ou uma disposição psicológica, adequadas à identidade do defunto.

As «Carpideiras» é um projeto promovido pela SRAF – Sociedade Recreativa e Artística de Faro. Todas as atividades DiVaM são de entrada livre com reserva obrigatória de lugar.

Neste caso, podem ser feitas por email (ocorvoearaposacultural@gmail.com) para o «Coletivo Garbe) e também (ac.N125.sraf@gmail.com ou 966 668 032) no caso das «Carpideiras».

Os projetos «Coletivo Garbe» e «As Carpideiras» são apoiados pelo DiVaM, uma das áreas de apoio do PAACA – Programa de Apoio à Ação Cultural, da DRCAlg.