Portimão será a capital da percussão durante três dias

  • Print Icon

Entre 25 e 27 de junho, percussionistas de renome nacional e internacional participam na primeira edição do festival DPP – Dias da Percussão Portimão, entrando em diálogo com a comunidade local e artistas residentes na região algarvia.

Durante três dias, o festival transforma a cidade na capital da percussão ao apresentar uma mostra do mundo eclético desta expressão musical, através de uma programação diversificada que inclui concertos, desfiles, oficinas e masterclasses, desde a música tradicional à contemporânea e à clássica, passando pelo jazz, com dois concertos agendados para o TEMPO – Teatro Municipal de Portimão e um outro a realizar no Auditório Municipal de Portimão.

Caberá ao João Guimarães Grupo abrir o DPP 2021 no dia 25, sexta-feira, num espetáculo marcado para o TEMPO a partir das 19h00.

Na ocasião vão atuar João Guimarães (saxofone), Eduardo Cardinho (vibrafone), Francisco Brito (contrabaixo) e Marcos Cavaleiro (bateria), que interpretarão o seu mais recente trabalho, intitulado «UM», numa noite dedicada ao jazz.

No dia seguinte, também às 19h00, o duo Isabel Vaz (violoncelo) e Vasco Dantas (piano) sobe ao palco do grande auditório do TEMPO, numa fusão artística única de dois conceituados artistas musicais da atualidade nacional que, com a participação especial de Vasco Ramalho na marimba, embarcam numa viagem sonora pelas obras de Joly Braga Santos e R. Aaron Walters, com paragem obrigatória nas «4 Cidades» do compositor turco Fazil Say – precisamente nove anos depois da estreia original desta obra.

O último dia do evento, marcado para domingo, 27 de junho, será dedicado à música contemporânea para percussão e decorrerá no auditório do Museu de Portimão.

O programa, a iniciar às 17h00, estreia a encomenda do festival feita a João Pedro Oliveira, que a intitulou «In the House of the Glass King (2021)» e que foi escrita para Vasco Ramalho (marimba) e Nuno Aroso (vibrafone), acompanhados pelo Algarve Grupo de Percussão Contemporânea.

No mesmo dia, às 15h00, o foyer exterior do Museu de Portimão será palco de uma homenagem à cidade e às suas gentes por Vasco Ramalho. O artista explica que «não sou natural de Portimão, mas aqui escolhi viver, nestes fluxos migratórios que caracterizam a nossa sociedade». A obra musical em causa foi feita para marimba e «sardinhofone», idealizado e construído pelo portuense Flávio Monteiro, que dará vida a antigas latas de sardinha, transformando-as em instrumento musical.

De referir que a Black Box do TEMPO recebe masterclasses de bateria (dia 25, com Marcos Cavaleiro) e de vibrafone (dia 26, com Eduardo Cardinho), ao passo que o auditório do Museu de Portimão acolhe uma masterclass de marimba (dia 27, com Nuno Aroso).

Na tarde de 26 de junho, será a vez de uma oficina de percussão africana, com Sérgio Almeida, decorrer no Jardim 1º de Dezembro.

Em paralelo, haverá animação pelas ruas de Portimão e de Alvor nos dias 25 e 26, com desfiles dos Bomboémia – Grupo de Percussão da Universidade do Minho.

Já na tarde do dia 26, o Café Concerto do TEMPO recebe os artistas locais que queiram atuar na Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão, possibilitando uma conversa com o seu programador, Álvaro Santos, diretor artístico convidado nesta primeira edição do Dias da Percussão Portimão 2021.

Para o efeito, os interessados devem proceder à respetiva inscrição por e-mail e neste link, onde poderão solicitar informações complementares.

O festival Dias da Percussão Portimão 2021 é um projeto de «O Corvo» e «Raposa Associação Cultural», que conta com o município de Portimão enquanto parceiro estratégico e tem cofinanciamento da Direção-Geral das Artes.