Portimão: RITMO Studio liga ensino da dança e mundo profissional

  • Print Icon

Vânia Lourenço, 23 anos, fundou o RITMO Studio em Portimão, espaço de formação para várias idades idades com base na sua experiência pessoal.

Não esquece as dificuldades que sentiu, aos 18 anos, ao chegar a um país diferente, frio, sem conhecer ninguém e sem saber exatamente o que fazer. Mas deu a volta por cima e fez a aprendizagem que perseguia.

Regressou ao final de um ano, mais forte e preparada para vencer. Esta é a história de Vânia Lourenço, 23 anos acabados de completar, que mostra como o sucesso se conquista pelo esforço e coragem de não virar costas às dificuldades.

Abriu o RITMO Studio, na Praia da Rocha, em maio de 2021, com apenas oito alunas. Neste momento, apesar dos constrangimentos que a pandemia tem causado às atividades culturais, já ultrapassa a meia centena. É um estúdio que aposta em classes pequenas, o que permite dar mais atenção a cada estudante.

«Quando acreditamos naquilo que estamos a fazer, os resultados surgem», resume ao barlavento.

Iniciou-se na ginástica rítmica aos cinco anos no Clube de Instrução e Recreio da Mexilhoeira Grande.

Depois, «foram 12 anos de competição. O esforço físico era imenso e as lesões frequentes. Uma lesão mais grave afastou-me desta modalidade que adorava. Mas, através do ballet, que também tinha frequentado durante o mesmo período, porque era obrigatório para as ginastas, descobri a dança como alternativa», recorda.

Frequentou a Associação Cultural Dancenema, em Ferragudo, sob a direção da professora Nilsen, onde descobriu a dança contemporânea.

Decidiu então mudar-se para Londres com o objetivo de aprender mais. «A vida é muito diferente e foi difícil, senti imensa dificuldade na adaptação. Mas, ao nível de experiência na dança, foi incrível. É muito mais evoluído em relação ao nosso país. Iniciei-me em dança clássica, na Universidade de Bedford, mas não me enquadrei. O que eu queria mesmo era frequentar formações em dança comercial, em Londres. Era a minha meta, na altura. Frequentei diversos workshops e também fui a castings para espetáculos. Foi muito giro e fiquei por lá um ano», resume.

Segundo Vânia Lourenço, «a dança comercial tem movimentos mais explosivos, atira a energia cá para fora, é uma dança mais pop, com músicas atualizadas, enquanto a dança clássica, sobretudo o ballet, é mais estática, mais suave, exerce uma força mais interior. São abordados sentimentos diferentes numa e noutra. Também em termos profissionais, é mais fácil iniciar-se numa carreira profissional em dança comercial do que em contemporânea ou clássica, porque há televisões, cantores e eventos que requerem os serviços de bailarinos» mais ecléticos.

A verdade é que ao regressar a Portugal, a jovem encontrou novas oportunidades e trabalhou em espetáculos com vários artistas, como Fernando Pereira e Mickael Carreira.

E participou em programas televisivos como «The Voice», «A Tua Cara não me é Estranha» entre outros.

«Também quis trabalhar na área da dança e tive o primeiro contacto profissional em 2017, com o Carlos Pacheco, na Revista à Portuguesa do Boa Esperança, uma experiência enriquecedora».

No entanto, não tardou a sofrer os contratempos de viver no Algarve, a 300 quilómetros da capital, onde as grandes produções acontecem.

«Na ficha de inscrição, nunca dizia que sou do Algarve. Se o fizesse, não me chamavam, porque tinham bailarinos à mão em Lisboa e arredores. Tinha de arranjar-me à minha maneira, pagar viagens, estadia e tudo o mais. Quase não compensava, algumas vezes», diz.

Ainda assim, não baixou os braços e uma vez mais, investiu. Desta vez, no ensino, aplicando os métodos que aprendera no Reino Unido. Assim surgiu o RITMO Studio em Portimão.

«Acho que traz algo novo para o Algarve e, talvez, para Portugal. As aulas estão divididas por estilos, comercial, hip-hop, dance fusion, ballet. O que é que faço? Um pouco de tudo numa classe e, assim, os alunos conseguem ter diversidade. Acho importante, na dança, não nos focarmos apenas num único estilo. E, deste modo, o professor consegue também introduzir a sua personalidade, o seu modo de passar conhecimento», explica.

As aulas são para crianças a partir dos três anos e vão até aos 35 anos. O Ritmo Kids, para os mais novos, é a modalidade em que há mais alunos. Para já, apenas tem um menino, mas Vânia tenta fazer chegar às pessoas a ideia de que a dança não é uma modalidade feminina e não há nada de errado com os homens que a praticam.

«Como vieram logo muitas meninas no início, criou-se a ideia de que a RITMO é só para elas. Mas não é. O hip-hop e a dance fusion, por exemplo, são muito vocacionados para os rapazes. Sei que há muitos candidatos a experimentar, mas em Portimão as pessoas fogem, muitas vezes, do que gostam, com medo do que os outros possam pensar»

Solução? «Estou a tentar arranjar uma turma de rapazes».

Também há aulas para quem tem mais de 35 anos, mas nas modalidades e pré e pós-maternidade. Vânia Lourenço pretende que, no futuro, o RITMO Studio venha a ser um elo de ligação forte entre o ensino da dança e o mundo profissional, «não só em Portugal, como lá fora, através das minhas ligações». E, por enquanto, está mais focada nesta área do que em dançar profissionalmente.

Contactos

RITMO Studio
Clube dos Arcos, Loja 4
8500-363 Praia da Rocha
+351 966 113 317
ritmo.studio21@gmail.com