Loulé saudou Banda Desenhada multipremiada «Mar de Aral»

  • Print Icon

«Mar de Aral», obra da autoria do louletano José Carlos Fernandes foi ilustrado e escrito há uma década. Em maio deste ano chegou às bancas e conquistou logo diversos prémios de Banda Desenhada.

«Mar de Aral» marca o regresso de José Carlos Fernandes, após alguns anos de interregno, ao mundo da Banda Desenhada (BD), onde aliás, chegou a ser um dos mais reconhecidos, profícuos e elogiados autores, quer como ilustrador, quer como argumentista.

Esta obra, contudo, revela o talento do ilustrador algarvio Roberto Gomes, de 36 anos, natural de São Bartolomeu de Messines, que trabalhou em estreita colaboração com o José Carlos Fernandes.

Uma parceria que se iniciou há já alguns anos, no âmbito de um curso de Banda Desenhada.

Roberto Gomes, ilustrador de São Bartolomeu de Messines.

Roberto Gomes descobriu as histórias e o universo criativo do «mestre» louletano e rapidamente as desenhou com o objetivo dar vida ao livro «Mar de Aral».

No entanto, e como é habitual neste tipo de publicações, pelo menos no mercado português, um problema de última da hora com a editora, impossibilitou a edição.

«Há histórias neste livro que têm 10 anos e outras até mais. Em 2010 estava tudo alinhado para que fosse publicado, mas isso acabou por não acontecer. Desde então que pensei que seria impossível voltar a reunir as condições necessárias para que tal se sucedesse. O dia de hoje marca o realizar de um sonho» explicou ao «barlavento» Roberto Gomes, na apresentação oficial da obra, ao final da tarde de terça-feira, dia 10 de dezembro, no Palácio Gama Lobo, em Loulé.

São cinco histórias diferentes, com ilustrações em estilos gráficos diferentes que representam a internacionalização da BD portuguesa, uma vez que saiu em mais quatro línguas: basco, castelhano, francês e polaco.

Em Portugal, o livro chegou às prateleiras do género em maio e surpreendeu os críticos.

Foi nomeado para todas as categorias dos dois grandes grupos de prémios portugueses, os «Galardões de BD» e os «Prémios Nacionais de BD».

No primeiro, com atribuição da Comic Con Portugal, foi vencedor nas três categorias (Melhor Argumento, Melhor Desenho e Melhor Álbum do ano).

Já no segundo, foi também distinguido pelo Melhor Argumento e até Melhor Álbum do ano.

Vítor Aleixo, presidente da Câmara Municipal de Loulé fez de estar presente na ocasião.

«É um prazer ter o nome da Câmara de Loulé associada a obras de tão grande qualidade. Gostamos muito de ser diferentes. Num mundo cada vez mais estandardizado, há sempre um princípio que me anima em exercer estas funções, o de procurar associar Loulé e a sua atividade autárquica a projetos que sejam diferenciadores e que sobretudo emerjam contra aquelas que são as tendências dominantes. Enquanto o executivo for este, fazemos sempre muita questão em associarmo-nos a estas causas», disse o autarca louletano.

Vítor Aleixo, autarca de Loulé.

Para Roberto Gomes, que desenha desde que se recorda, a inspiração para cada uma das histórias do «Mar de Aral», surgiu «após uma pesquisa, o experimentar de técnicas, cores e grafismos e ainda depois de conhecer algumas fotografias sobre a tragédia ecológica que dá nome ao álbum».

Segundo o licenciado em Design de Comunicação, publicar um novo livro não está dentro dos planos para breve.

No entanto, «se houver a oportunidade ideal, não vou dizer que não», assegurou.

Para já, o ilustrador tem-se focado no desenvolvimento de experiências em realidade aumentada, virtual e ainda videojogos.

«Mar de Aral» é uma publicação da editora G. Floy Studio, em parceria com a Câmara Municipal de Loulé. Está à venda em todas as papelarias e na Internet. Contudo, a versão portuguesa, na web, encontra-se esgotada.

Estiveram também presentes os editores José Freitas e Bruno Caetano.