Loulé mostra que «Todos nós nascemos originais e morremos cópia»

  • Print Icon

Mostra nasce de um convite endereçado ao município de Loulé pelo Museu Nacional de Arte Contemporânea do Chiado.

A exposição «Todos nós nascemos originais e morremos cópia», da autoria do artista plástico Miguel Cheta, vai estar patente ao público a partir das 18h00 de sábado, 1 de fevereiro, até ao dia 4 de abril, no CECAL – Centro de Experimentação e Criação Artística de Loulé.

A mostra nasce de um convite endereçado ao município de Loulé pelo Museu Nacional de Arte Contemporânea do Chiado, para integrar o projeto PORTUGAL Entre/PATRIMÓNIOS.

Trata-se de um projeto que tem como base a sustentabilidade cultural e que se propõe ter um carácter experimental, que pretende, entre outros objetivos, proporcionar processos de «criação artística como sinónimo de futuro nos processos de mudança dos territórios. E questionar a complexidade da sociedade contemporânea através de leituras do património material e imaterial».

Integrado neste projeto, o município louletano, através das suas Galerias Municipais, desafiou o artista Miguel Cheta «a refletir sobre as questões dos processos colaborativos, dos diálogos (im)possíveis, dos conflitos latentes (ou não) entre públicos e artistas, do que é a arte colaborativa e do papel do artista na transformação dos territórios».

A exposição pode ser visitada de terça a sexta-feira, das 10h00 às 13h30 e das 14h30 às 18h00, e aos sábados, das 10h00 às 16h30. A entrada é livre.