Flamingos e Guerra Colonial no Auditório Municipal de Albufeira

  • Print Icon

As vozes tradicionais do Seixal pelo grupo «Os Flamingos» e as consequências da Guerra Colonial pelo Teatro de Almada e ACTA são motivos para uma ida ao Auditório Municipal de Albufeira, em novembro.

O mês de novembro reserva para os frequentadores do Auditório Municipal de Albufeira dois bons motivos para reservar os seus lugares.

Um deles, consta do convite que o grupo de Albufeira de música tradicional «Entretenga» fez ao Grupo Coral e Instrumental – Os Flamingos do Seixal, os quais vão atuar na noite do dia 20, às 21h30.

Trata-se de um grupo com 15 elementos femininos e masculinos, com idades entre os 56 e 77 anos, cujo repertório compreende apenas músicas tradicionais portuguesas.

A entrada é gratuita, para maiores de 6 anos de idade, sujeita à lotação da sala. Os bilhetes devem ser levantados no dia do espetáculo, a partir das 20h30 e até às 21h15.

Mais tarde é a vez de «Um gajo nunca mais é a mesma coisa», com texto e encenação de Rodrigo Francisco, que sobe ao palco no Auditório Municipal de Albufeira, no dia 26 de novembro, às 21h30, numa produção conjunta da Companhia de Teatro de Almada com a ACTA – A Companhia de Teatro do Algarve.

As mazelas da Guerra Colonial por quem a vive de arma em punho é o ponto central deste espetáculo, que conta no seu elenco de intérpretes com Afonso de Portugal, João Farraia, Luís Vicente, Pedro Walter e Lara Mesquita.

Som de tiros, de helicópteros e luz estroboscópica, são alguns dos efeitos que concorrem para o ambiente vivido em situação de guerra, tendo a peça recuperado testemunhos de quem viveu situações de conflito armado, nomeadamente, na Guerra do Ultramar.

«Guerra colonial, colonialismo, o fantasma cada vez mais real da extrema-direita, o racismo, globalização e essencialmente a leitura de um passado à luz de um presente e o modo como estes se enfileiram na esteira de um futuro, são os vértices em que se move a peça», refere Pedro Barros na folha de sala.

O espetáculo é maiores de 16 anos de idade, e os bilhetes estão à venda na Galeria Municipal João Bailote (dias úteis, das 09h30 às 12h30 e das 13h30 às 17h00, bem como no Auditório, no dia do espetáculo, a partir das 19h30 e até às 21h15. A reservas podem ser feitas por telefone (289 246 948 ou 289 599 645).