Companhia João Garcia Miguel procura atores do Algarve

  • Print Icon

Open call para o espetáculo «Gaivota» está aberta até dia 20 de fevereiro. Só atores residentes no Algarve ou naturais da região se podem candidatar a integrar o elenco. A peça é uma coprodução da Companhia João Garcia Miguel e do Teatro das Figuras.

Com o intuito de encontrar o elenco da nova coprodução da Companhia João Garcia Miguel e do Teatro das Figuras, «A Gaivota», está lançada uma open call para atores e atrizes que residam ou sejam naturais da região do Algarve.

Quer sejam profissionais ou amadores, os atores podem candidatar-se à vaga até dia 20 de fevereiro, através de um processo totalmente online, sendo depois a seleção, ensaios e montagem do espetáculo realizados em Faro.

A apresentação da peça passará também por Lisboa, no Teatro Ibérico.

A Gaivota é uma peça original construída a partir de três eixos: a obra «A Gaivota», de Anton Tchekov; uma história transgénera verídica e ainda uma biografia ficcional. Pretende-se construir um texto performativo que, através do caos e dos corpos, atravesse ainda as noções de transexualidade, identidade, humanidade e de reinvenção, em oposição ao conceito de extinção.

«Com todas as mudanças que se têm sentido no nosso sector, e que fizeram com que atores e atrizes vissem a sua situação profissional ser alterada, é agora nossa prioridade apoiar a cultura nacional, mas também o talento regional. Desta forma, e juntamente com o Teatro das Figuras, queremos aproximarmo-nos dos atores algarvios, levando o seu trabalho e criação a novos palcos”, explica João Garcia Miguel, diretor artístico e encenador do espetáculo.

Os interessados que queiram trabalhar nesta produção remunerada, deverão enviar o seu Curriculum Vitae e uma carta de intenções por email (georgina@joaogarciamiguel.com), descrevendo a sua motivação e interesse no projeto.

Após o período de candidaturas, serão selecionados candidatos para um casting que irá decorrer no Teatro das Figuras, em Faro.

Daqui, sairão dez atores para um workshop de cinco dias, em horário e local a definir, e onde vai ser encontrado o elenco final.

A peça será apresentada em Faro e em Lisboa, nos meses de abril e maio, sendo que as datas podem ser alteradas consoante a evolução pandémica e as normas de segurança em vigor da Direção-Geral de Saúde.

A Companhia João Garcia Miguel, fundada em 2002, é uma companhia de criação artística contemporânea que pesquisa o desenvolvimento artístico e criativo em artes performativas, exploradas no teatro, e cujo diretor artístico é o encenador com décadas de carreira João Garcia Miguel.

Tem como eixo principal da sua atividade artística a ligação entre a Liberdade e o Teatro, tendo como objetivo central provocar uma mudança e diferença social no mundo atual.

A companhia conta com inúmeras criações distinguidas e premiadas, tais como a peça Yerma, em 2014, premiada com o Prémio SPA para o Melhor Espetáculo de Teatro e, em 2008, João Garcia Miguel recebeu também o Prémio FAD Sebastià Gasch, em Espanha.