Candidatos a Capital Europeia da Cultura 2027 assinam concordata

  • Print Icon

Municípios assinaram declaração conjunta no âmbito de I Encontro de Autarcas de Cidades candidatas, promovido em Portimão após convite da Câmara Municipal de Faro.

Os municípios de Faro, Braga, Coimbra, Évora, Guarda, Leiria e Oeiras assinaram ontem, sexta-feira, dia 24 de janeiro, em Portimão, no âmbito do I Encontro de Autarcas de Cidades Candidatas a Capital Europeia da Cultura 2027, uma declaração conjunta que visa a cooperação para um processo que possa transformar o território nacional além do horizonte das candidaturas.

De acordo com a declaração conjunta produzida, no âmbito de um encontro inédito entre os autarcas das várias cidades candidatas promovido após convite do município de Faro, «a existência de um concurso nacional prévio à designação é o elemento que distingue mais nitidamente o atual procedimento das três situações anteriores (Lisboa, 1994; Porto, 2001 e Guimarães, em 2012)».

Nesse sentido, «várias cidades portuguesas começaram já, algumas há vários anos, a trabalhar ativamente na preparação dos respetivos processos de candidatura».

«Em Portugal, pela primeira vez ao nível das cidades médias, um trabalho sistemático de pensamento do território a partir da cultura está a desenvolver-se para o horizonte de uma década», refere ainda a declaração preparada pelos autarcas, que o presidente da Câmara Municipal de Faro Rogério Bacalhau apresentou, em Portimão, acrescentando que «o objetivo de qualquer uma destas cidades não é preparar, para 2027, um evento festivo e vistoso», mas «consolidar as condições necessárias para a existência de cidades culturais e criativas».

«As pessoas têm ideia que a Capital Europeia da Cultura é uma festa, mas todos nós queremos procurar transformar as nossas comunidades e o país, através de novas dinâmicas e da Cultura», reforçou Rogério Bacalhau.

As várias cidades reconhecem-se assim como «concorrentes, porque participam num processo em que só uma será escolhida», mas também como «cooperantes», porque «estão conscientes da importância nacional do seu trabalho».

«Esse trabalho já começou e não termina em 2027. A sustentabilidade do legado criativo que envolva cidadãos, artistas e operadores culturais será a maior prova do êxito de todo este processo», refere ainda a declaração.

As cidades signatárias da declaração conjunta «incitam assim o tecido cultural e criativo e todos os cidadãos a envolverem-se neste movimento de dinamização cultural» e «exortam também e muito especialmente o governo de Portugal, através do seu Ministério da Cultura, a associar-se a este movimento, criando as sinergias necessárias para que, independentemente da cidade escolhida, o país saia reforçado deste processo».

«O acolhimento do título de Capital Europeia da Cultura em 2027 constitui um desígnio nacional e as cidades que percorrerem o caminho de candidatura entendem que o Governo é um parceiro fundamental no planeamento e implementação oportuna de condições de apoio estrutural ao êxito da candidatura», lê-se ainda na declaração.

A entrega final das candidaturas acontecerá em 2021 e a decisão final para atribuição do título será conhecida em 2022, após avaliação por parte de um júri internacional no âmbito de um processo criado pela União Europeia.