Biblioteca Municipal de Faro apresenta programação online

  • Print Icon

A Biblioteca Municipal de Faro António Ramos Rosa, dando continuidade ao seu trabalho «de promoção do livro e da leitura», está a readaptar o seu trabalho de programação, face à atual situação sanitária, recorrendo ao online e a publicações nas páginas do Facebook.

Assim, na próxima quinta-feira, dia 4 de fevereiro, às 19h00, está marcado u encontro com o escritor Daniel Blaufuks, moderado por Ana Isabel Soares. O momento, que decorrerá através da plataforma Zoom, carece de inscrição prévia, que deve ser feita por e-mail, até ao dia 2 de fevereiro. O link para assistir será enviado no dia 3 de fevereiro.

Já de 8 a 12 de fevereiro, terá lugar a Semana dos Caçadores d’Arte II, sempre às 18h00, com várias atividades disponíveis na página de facebook da Biblioteca Municipal de Faro.

A Semana começa no dia 8, segunda-feira, com a «Hora do Conto Online», onde a partir da história O Ponto de Peter H. Reynolds, Leonor Rocha vai lançar o desafio de criação de personagens e escrita de um micro conto inspirado em contos tradicionais.

No dia 9, , haverá nova «Hora do Conto Online», desta vez com a história O Pássaro da Alma de Michal Snunit, através da qual são exploradas técnicas de expressão corporal, numa sessão dirigida pelo professor Fernando Cabral.

No dia seguinte, 10 de fevereiro, será feita uma «Visita Virtual à Exposição Caçadores d’Arte II», uma mostra de trabalhos realizados pelas escolas e instituições locais, no âmbito deste projeto.

O dia 11 fica marcado por mais uma «Hora do Conto Online», com a história O Monstro das Cores de Ana Llenas, onde se exploram algumas técnicas teatrais com Inês Gonçalves.

Por fim, no dia 12 de fevereiro, o programa encerra com Biblioterapia e Cromoterapia, com base na história O Vazio, de Isabel Llenas, onde a terapeuta Vanda Santa Rita promove a descoberta das emoções com recurso àquelas técnicas.

Segundo o município, «a atual situação pandémica obriga-nos a readaptar não só as nossas formas de trabalho, mas também todos os conteúdos de programação, utilizando os meios digitais, de forma a continuarmos a nossa afirmação como um equipamento cultural, em permanente reinvenção, atuante e indispensável na divulgação e promoção do livro e da leitura».