Algarvia Sara Goulart estreia «Sarar» no CAPa em Faro

  • Print Icon

Sara Goulart apresenta uma conferência performance sobre a experiência radical do corpo na doença e na cura, no Centro de Artes Performativas do Algarve (CAPa), em Faro, dias 22 e 23 de outubro.

«Sarar» é uma conferência performance sobre a experiência radical do corpo na doença e na cura.

«Trata o processo em que este se confronta com uma nova realidade, altera o seu modo de estar, se ajusta ao novo ser, reaprende e é reaprendido».

«Sarar é íntimo e público, privado e coletivo, fala do trauma e do inesperado. Em Sarar, o texto convoca gesto, vídeo, som e luz para explorar os novos estados e tempos do corpo, os discursos sobre a pessoa doente e descobrir invisibilidades», explica a criadora.

«Sarar é sobre um lugar de vulnerabilidade onde todos nos podemos encontrar um dia. O corpo produz uma doença e a doença produz um novo corpo. A cura também produz um corpo. De corpo em corpo, não se pára para estar doente, o mundo continua a girar. Como se organiza a vida quando a doença nos entra pela porta da frente?”

Sara Goulart nasceu em Tavira, em 1977. Estudou literatura, estudos sobre mulheres, guionismo para cinema.

É produtora, mediadora cultural, ativista e escritora.

Foi curadora das exposições «Viveiro» de Júlia Barata e Tochas e de Vasco Célio.

Fez a produção dos percursos performativos Partituras para ir e A cada passo uma constelação, de Joana Braga, integrados no programa Matéria para escavação futura.

«Sarar» é a sua primeira criação artística, que conta com o apoio coreográfico de Ana Rita Teodoro, desenho de som de Fernando Ramalho, cenografia audiovisual de Luísa Homem, desenho de luz de Zé Rui e produção de Ana Lobato.

A organização é da efabula com o apoio da Devir/Capa, Buala e Terratreme e uma coprodução do Teatro do Bairro Alto (TBA), um novo teatro municipal de Lisboa.

O bilhetes custam 6 euros (5 com desconto de estudantes ou maiores de 65), estão à venda no local e podem ser reservados pelos contactos 289 828 784/ 918 703 415.

Este projeto é financiado pela Direção-Geral das Artes/ República Portuguesa – Cultura.