Alcoutim promove o «tráfico de artes no Guadiana» online

  • Print Icon

Neste ano atípico, o Festival do Contrabando de Alcoutim surge como Tráfico de Artes no Guadiana, em formato online.

Após o cancelamento no passado mês de março do Festival do Contrabando, a Câmara Municipal de Alcoutim anuncia um novo formato adaptado aos tempos atuais, com atividades programadas entre o dia 10 a 15 de novembro e transmissão online.

«Este ano não vamos ter ponte flutuante no rio Guadiana» para Sanlúcar de Guadiana, «nem mercado nas ruas das duas vilas. Não existirá o frenesim musical e teatral que já caracterizam e fazem com que o Festival do Contrabando seja reconhecido como um evento importante e âncora para a região», informa a autarquia.

«Este conceito vai ficar guardado, e vamos potenciar a assinatura do evento, um dos objetivos estratégicos do formato, e a base da sua criação, o Tráfico de Artes no Guadiana. Para quem vive e valoriza este conceito, reconhece que o contrabando deve identificar um território durante os 365 dias do calendário, e não somente em três dias do ano».

Desta forma, e fazendo justiça ao «programa 365 Algarve e ao Tráfico de Artes no Guadiana, nesta quarta edição iremos dar lugar a um espaço de criatividade, expressão e criação artísticas, com a execução de obras de arte de artistas locais, nacionais e internacionais, que deixarão na paisagem a sua marca, em consonância e sintonia com o território e com os temas do festival, de forma a que o visitante possa desfrutar das suas obras o ano inteiro, e no decorrer das datas programadas, será possível acompanhar no facebook do evento as ações calendarizadas».

«Assumindo que a identidade de um território deve ser valorizada, e através desta necessidade foi criado um programa simples, mas especial, artisticamente rico e diversificado, através da criação e interpretação de artistas de arte pública convidados, com acesso presencial e participativo para alguns, em especial para as comunidades de Alcoutim e Sanlúcar de Guadiana, e aberto a todos, em formato digital», conclui a autarquia.