Portugal e Andaluzia unidos numa viagem aos sentidos através de uma conexão INTREPIDA

  • Print Icon

Um convite para descobrir recantos do Alentejo guiados por Mar Villalba de Mi Ruta, seguindo-se uma degustação de uma seleção de Queijos Doñana com Ana Rocío Lepe, que são uma amostra do potencial das regiões que fazem parte de Portugal e de Espanha.

Numa altura do ano em que se começa a renovar a vontade de redescobrir novas paisagens e sabores, ainda que próximos, a Fundación Tres Culturas apresenta a primeira conexão INTREPIDA que surgiu entre empresárias de Portugal e de Espanha.

É uma ideia inovadora que se baseia na união e no apoio entre as empresárias dos dois países.

Esta conexão encontra-se entre os muitos resultados positivos extraídos do último fórum de trabalho INTREPIDA plus, realizado em outubro de 2020 em Sevilha e que foi organizado pela Fundación Tres Culturas, líder do projeto.

Nessa altura e apesar das circunstâncias, mais de 70 empresárias das oito províncias da Andaluzia conviveram durante dois dias consecutivos com outras empresárias do Algarve e do Alentejo.

A sede da Fundación Tres Culturas del Mediterráneo em Sevilha.

A Fundación Tres Culturas del Mediterráneo coordena o projeto INTREPIDA plus, uma iniciativa do programa Interreg VA Espanha-Portugal (POCTEP) que promove projetos de cooperação transfronteiriça, com o apoio da União Europeia.

O projeto INTREPIDA plus centra o seu foco no empreendedorismo das empresárias que desenvolvem a sua atividade na Eurorregião Alentejo-Algarve-Andaluzia, com o intuito de potenciar a sua internacionalização e visibilidade em novos mercados.

Este guia turístico digital é gratuito e está disponível nos idiomas português e espanhol.

Na verdade, trata-se de algo mais do que um convite para descobrir, como turistas, as belas paisagens e lugares de interesse que, uma pequena parte dos nossos vizinhos portugueses têm.

A informação que Mar Villalba da Asociación Mi Ruta Responsable foi compilando durante os quatro dias em que viajou, sozinha, combina dados práticos e conselhos para os viajantes além de recomendações, ao mesmo tempo que incentiva o uso de carros elétricos como uma opção de transporte sustentável e respeitosa com o meio ambiente.

É importante notar que este guia é um relato íntimo em que se visita o interior de uma seleção de empresas geridas por mulheres, onde se evidencia o papel que muitas mulheres desempenham em muitos casos, como as seguidoras de tradições empresariais que, de outra forma, talvez pudessem ter sido perdidas.

Ao mesmo tempo que, como mães, esposas, cuidadoras, companheiras e, em definitivo, como cidadãs, essas empresárias contribuem para fixar a população em lugares afastados dos grandes centros urbanos e assim, ajudam a combater o despovoamento das áreas rurais, uma preocupação partilhada quer por Portugal quer por Espanha.

Além disso, essas empresas demonstram o desejo de inovar e de apostar em produtos de qualidade, com serviços personalizados que animam a um desfrute tranquilo e ao deleite.

Entre as empresárias e os negócios, destacam-se: Catarina Machado da Mercearia de Marvão em Marvão, Ana Paula Leitão da Água Mole em Cabeço da Vide, Paula Carvalho de Descubra o Alentejo e Ana Isabel Pereira da Horta do Muro, ambas em Campo Maior.

Por outro lado, no distrito de Évora onde Eduarda Tavares da Courela do Zambujeiro em Redondo, Manuela Marques da Olaria Bulhão em S. Pedro do Corval, várias empresárias de Arraiolos como Maria do Céu Na Sombra do Alentejo, Isabel Diogo da Sempre Noiva, Joana Garcia da Queijaria do Monte da Vinha e Teresa Barrocas do Moinho de Pisões.

Em Évora, Ana Rita Guerreiro do Alentejo Natural, Isabel de Mello da Quinta da Espada e Delfina Marques da Capote’s Emotion, que além é também vice-presidente do Núcleo Empresarial da Região de Évora (NERE), por sua parte, também sócio no projeto INTREPIDA plus.

Um exemplo destas empresárias que continuam com a tradição e que desenvolvem o seu trabalho nas zonas rurais da Andaluzia, é Ana Rocío Lepe, natural de Bonares na província de Huelva, Espanha, que em nome da empresa Quesos Doñana selecionou cinco variedades de queijos para uma degustação orientada por ela própria, para depois da apresentação do guia digital do Alentejo, na sede da Fundación Tres Culturas, em Sevilha, Espanha.

Os rebanhos caprinos da empresa familiar Quesos Doñana, alimentam-se das pastagens que crescem às portas do Coto de Doñana, um lugar privilegiado pela sua flora e fauna, um ecossistema único em muitos aspetos.

Desde 2005 que começaram a produzir queijos artesanais desde zero, a partir de leite cru e pasteurizado dos seus próprios rebanhos.

Entre as suas marcas, a produção artesanal destaca-se sobre a produção industrial.

Em menos de dez anos, ganhou ate 40 prémios, incluídas duas medalhas de ouro do World Cheese Awards, competindo com mais de 3.000 queijos de 35 países dos cinco continentes.

No entanto, nas palavras de Ana Rocío Lepe, «os prémios são necessários porque ajudam a continuar a acreditar no seu trabalho quotidiano, mas, o reconhecimento das pessoas que regressam à loja é a melhor recompensa que se mantém a longo prazo».

Sem dúvida que a fé no projeto empresarial e no trabalho constante, são os ingredientes que garantem a continuidade e o sucesso de uma empresa que começou com um volume de negócios de 100 mil euros e que triplicou no seu quarto ano de existência.

Os seus queijos utilizam apenas 15 por cento do leite de cabra utilizado na Andaluzia.

O leite que os queijeiros andaluzes não utilizam é exportado para países como a França.

Como acontece em Espanha e Portugal, é necessário estarmos mais convencidos da qualidade e das possibilidades dos nossos próprios produtos.

Mar Villalba de Mi Ruta.

Esta empresa também permite a sobrevivência de raças de gado autóctones como a cabra Rubia Costeña, típica da Serra de Huelva, Andaluzia, também muito apreciada pelo seu leite.

Ana Rocío Lepe declarou que «sente-se orgulhosa de valorizar o produto da sua terra e assim contribuir para a economia local».

Neste encontro INTREPIDA, que foi transmitido na plataforma de zoom digital, nas redes sociais da Fundação Tres Culturas e presencialmente, permitiu aos participantes poderem degustar de cinco variedades de queijos com diferentes combinações de texturas e de sabores diversos, que vão do doce ao picante, queijos como entrada ou de sobremesa, entre tantas outras possibilidades, com destaque para os queijos de cabra e ovelha com sabores.

A Fundación Tres Culturas del Mediterráneo é a Beneficiária Principal do projeto INTREPIDA plus, juntamente com os seguintes parceiros de Espanha e Portugal:  Mancomunidad Condado de Huelva, Diputación de Huelva, Núcleo de Empresários da Região de Portalegre (NERPOR), Núcleo Empresarial da Região de Évora (NERE) e do município de Faro.

O projeto INTREPIDA plus tem financiamento europeu do programa INTERREG VA Espanha-Portugal (POCTEP).

Mais informações sobre as empresas

Mi ruta en coche eléctrico
@ miruta.es

Guia turístico digital grátis sobre o Alentejo, em português e espanhol aqui.
Guia em português aqui.

Quesos Doñana
@quesos_donana