Investigadora da Universidade do Algarve descobre nova espécie de raia

  • Print Icon

Maria Esmeralda Costa fez esta descoberta durante a preparação da sua tese de doutoramente, altura em que fez várias viagens a bordo de arrastões destinados à captura de crustáceos decápodes, que operam a uma profundidade que varia entre os 400 e os 1200 metros.

A investigadora descobriu, durante as viagens feitas ao longo do seu doutoramento, oito exemplares desta nova espécie de raia, em águas algarvias.

No entanto, até à data, já foram capturados mais 17, o que perfaz um total de 25 exemplares.

Entre estes, surgiram exemplares maduros, nomeadamente dois machos e duas fêmeas. Uma descoberta que, segundo o CCMAR, «deu um novo alento à descoberta da investigadora, dado que assim foi mais fácil estudar pormenorizadamente os órgãos copuladores dos machos, algo que é imprescindível para a classificação taxinómica final de uma nova espécie de elasmobrânquio».

A descoberta de Maria Esmeralda Costa despertou o interesse de taxinomistas de renome internacional, como é o caso de Matthias Stehmann, que contactou de imediato com a investigadora, a fim de proceder à catalogação desta nova espécie de raia.

De acordo com este especialista alemão, os primeiros exemplares desta raia anã foram encontrados há cerca de 20 anos, no Golfo de Cádiz.

Matthias Stehmann juntou-se posteriormente a outro taxinomista, o francês Bérnard Seret, e à investigadora portuguesa, para iniciarem o estudo desta espécie ibérica de raia.

Brevemente, esta descoberta será publicada numa revista científica internacional.