UAlg leva sustentabilidade das águas subterrâneas às escolas

  • Print Icon

A UAlg vai dar oportunidade às escolas de participarem num programa internacional relacionado com a sustentabilidade das águas subterrâneas.

Com o objetivo de apoiar a gestão participativa para a sustentabilidade das águas subterrâneas, a Universidade do Algarve (UAlg) uniu-se ao programa de ciência cidadão «À Descoberta do Aquífero», para levar o projeto internacional eGROUNDWATER às escolas da região.

Segundo a Organização para a Alimentação e Agricultura (FAO), o inventário global da utilização das águas subterrâneas na agricultura indica que quase 40 por cento da área global de regadio depende agora das águas subterrâneas.

Nesse sentido, sob a coordenação de Luís Nunes, docente da Faculdade de Ciências e Tecnologia e investigador do Centro de Investigação e Inovação em Engenharia Civil para a Sustentabilidade (CERIS), o objetivo deste programa é que os alunos recolham, analisem e monitorizem a água subterrânea.

Vânia Serrão Sousa, investigadora do CENSE, que tem já realizado várias ações nas escolas envolvidas, explica como se processa a parceria: «os alunos que têm furos ou poços nas suas casas ou de familiares, que pretendam colaborar com o projeto, recolhem amostras de água subterrânea e levam-nas para as escolas, onde, em conjunto com os colegas e professores, analisam parâmetros como pH, concentração de nitratos e condutividade, através de kits de análise preparados e distribuídos pela equipa do projeto eGROUNDWATER».

Ainda de acordo com a investigadora, «os alunos também têm a possibilidade de determinar a profundidade da água através da utilização de uma sonda desenvolvida e construída pela equipa do projeto».

Em relação aos estudantes envolvidos, todos participam em ações de capacitação realizadas tanto na UAlg como nas escolas.

Tratam-se de ações que ensinam a fazer a recolha e análise das amostras de água, assim como o posterior tratamento dos dados.

Todos os resultados obtidos pelos alunos serão posteriormente incluídos no projeto eGROUNDWATER.

O programa conta com sete escolas envolvidas dos Agrupamentos de Escolas do Montenegro, Almancil, Pinheiro e Rosa (Faro) e Dr. Alberto Iria (Olhão), o que se traduz em aproximadamente 200 alunos e 18 professores, num total de 25 furos/poços monitorizados.